Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.773,68
    -2.125,31 (-4,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Receitas da Xiaomi crescem 64% no segundo trimestre de 2021 e chegam a R$ 70 bi

·2 minuto de leitura

A Xiaomi divulgou nesta quinta feira (26) um balanço financeiro dos meses de abril a junho, com uma receita total 64% maior do que a vista no mesmo período do ano passado. No total, os ganhos somam 87,8 bilhões de yuans, o equivalente a 70 bilhões de reais.

Aparelhos como o Mi 11 e Mi 11 Ultra são protagonistas no aumento de vendas de tops de linha da Xiaomi (Imagem: Divulgação/Xiaomi)
Aparelhos como o Mi 11 e Mi 11 Ultra são protagonistas no aumento de vendas de tops de linha da Xiaomi (Imagem: Divulgação/Xiaomi)

O anúncio vem um mês depois de a marca ter alcançado o segundo lugar em vendas de smartphones, com uma fatia de 17% do mercado e mais de 59 milhões de aparelhos vendidos no período. Com esses números, a Xiaomi foi capaz de ultrapassar a Apple e ficar atrás apenas da Samsung, que tem 19% do total de smartphones vendidos no planeta. A marca chegou a ficar na liderança o início de agosto, graças a uma queda na produção da marca sul-coreana.

A companhia também teve um aumento significativo de vendas de aparelhos mais caros, que custam acima dos 3.000 yuans (cerca de R$ 1.848 reais em conversão direta). Aparelhos da linha Mi 11, top de linha da marca, são considerados um sucesso, e o aumento de exportações de smartphones também cresceu a um ritmo de 35,1%.

Aparelhos intermediários como a linha Redmi e Redmi Note também são cada vez mais populares, principalmente em países emergentes. Segundo a Xiaomi, as exportações totais cresceram mais de 300% na América Latina, 150% na África e 50% em países da Europa Ocidental.

Redmi Note 10 é um exemplo de aparelho intermediário que faz sucesso em vários países (Imagem: Divulgação/Xiaomi)
Redmi Note 10 é um exemplo de aparelho intermediário que faz sucesso em vários países (Imagem: Divulgação/Xiaomi)

A marca também afirmou que os próximos objetivos incluem a consolidação dos seus aparelhos top de linha, rivalizando em potência, qualidade de câmeras e outros aspectos. Executivos da Xiaomi indicam que desejam consolidar uma liderança frente à Samsung em um futuro não muito distante.

Outros produtos da Xiaomi também mostraram aumento nas vendas, especialmente os dispositivos de casa inteligente. A marca é lider em Smart TVs na China e está entre as cinco mais populares globalmente, com um acréscimo de 35,9% nas receitas dessa área em relação ao mesmo período do ano passado.

A Xiaomi também vê ganhos recorrentes em seus serviços: atualmente, existem mais de 453,8 milhões de usuários ativos da MiUI, uma melhora de 32,1% em relação ao segundo trimestre de 2020.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos