Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.541,95
    -1.079,62 (-1,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.524,45
    -537,16 (-1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    106,05
    +0,29 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.805,70
    -1,60 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    18.972,29
    -1.118,90 (-5,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,82
    -26,65 (-6,18%)
     
  • S&P500

    3.785,38
    -33,45 (-0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.775,43
    -253,88 (-0,82%)
     
  • FTSE

    7.169,28
    -143,04 (-1,96%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    26.393,04
    -411,56 (-1,54%)
     
  • NASDAQ

    11.491,75
    -37,75 (-0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5035
    -0,0021 (-0,04%)
     

Receio com combustíveis dispara corrida de locais por dólar

(Bloomberg) -- O anúncio de medidas do governo para reduzir o preço dos combustíveis provocou uma corrida dos fundos locais por dólar, que saíram em busca de proteção diante do aumento das incertezas sobre a trajetória das contas públicas.

Só no pregão de terça-feira, como reação à divulgação das medidas, os investidores domésticos compraram US$ 1,5 bilhão, segundo dados sobre derivativos cambiais da B3 compilados pela Bloomberg. Nas últimas duas sessões, a exposição a dólar dos locais aumentou US$ 1,6 bilhão.

Plano de Bolsonaro para combustíveis aumenta incerteza fiscal

Trata-se de uma reversão do movimento visto em maio, quando os locais enxugaram a posição comprada em dólar em US$ 5 bilhões e embalaram um mini-rali do real.

Desde o início de junho, a exposição dos locais à moeda americana subiu US$ 4,1 bilhões e agora soma US$ 4,7 bilhões, com as perspectivas fiscais domésticas mais nebulosas, além do sentimento de risco global afetado pelo aperto monetário no mundo desenvolvido.

“O mercado provavelmente começará a se concentrar no quadro fiscal conforme a campanha se inicia”, disse Juan Prada, estrategista de câmbio do Barclays em Nova York. “Isso pode pesar no real, mas achamos que mais incertezas virão no terceiro trimestre de 2022.”

Segundo Prada, os desafios fiscais no Brasil persistem a despeito das melhoras observadas neste ano, que foram impulsionadas pelo aumento do PIB nominal e dos preços de commodities e provocaram aumento da arrecadação de impostos.

Já o posicionamento comprado em dólar dos investidores estrangeiros pouco se alterou no início de mês, passando de US$ 25,8 bilhões para US$ 26,7 bilhões.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos