Mercado abrirá em 7 h 45 min
  • BOVESPA

    114.177,55
    -92,52 (-0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    55.164,01
    +292,65 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,39
    +0,38 (+0,47%)
     
  • OURO

    1.923,80
    -6,20 (-0,32%)
     
  • BTC-USD

    22.791,80
    -351,97 (-1,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    516,18
    -11,00 (-2,09%)
     
  • S&P500

    4.060,43
    +44,21 (+1,10%)
     
  • DOW JONES

    33.949,41
    +205,57 (+0,61%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    +16,24 (+0,21%)
     
  • HANG SENG

    22.555,21
    -11,57 (-0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.357,94
    -4,81 (-0,02%)
     
  • NASDAQ

    12.029,00
    -77,75 (-0,64%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5113
    -0,0084 (-0,15%)
     

Recebeu uma chamada de vídeo de desconhecido? Pode ser o novo golpe dos nudes

Mais uma vez, criminosos estão usando conteúdo sexual e exposição de nudez como forma de extorquir pessoas, principalmente do gênero feminino. No chamado “golpe do pipi”, como vem sendo chamado nas redes sociais, as vítimas recebem uma chamada de vídeo por meio do WhatsApp e tem a reação às imagens indesejadas registradas para que, mais tardes, sejam usadas como forma de chantagem.

As ligações acontecem por números desconhecidos das possíveis vítimas e sem nenhum contato prévio. Ao atender, a pessoa pode se deparar com a imagem de um pênis exposto, cenas sexuais e até de pedofilia, com uma captura sendo realizada assim que a câmera é ativada. Depois, começam as mensagens, com pedidos de dinheiro para que os registros não sejam divulgados nas redes sociais, a amigos e familiares.

Os relatos sobre o crime estão circulando em redes sociais como Instagram ou TikTok, com a farmacêutica Marina Cristofani tendo um dos vídeos mais virais sobre o assunto. Falando a uma audiência de quase um milhão de seguidores, ela relata quase ter sido vítima e ter recebido outros relatos semelhantes sobre casos desse tipo.

O objetivo final é aplicar uma nova versão do “golpe dos nudes”, ainda que a pessoa exposta não seja a vítima. A alegação é de que a captura de tela será compartilhada como se fosse uma conversa da retratada com um namorado, por exemplo, como forma de causar constrangimento público e induzir à realização de pagamentos, que podem ser pedidos sucessivamente.

Cristofani relata ainda uma segunda etapa do golpe de extorsão sexual, já que após recusar a chamada de vídeo, chegou a receber uma imagem de teor sexual pelo WhatsApp. O número foi bloqueado sem nenhum contato, no que ela acredita ser outra tentativa de forjar uma interação para que, mais tarde, a extorsão fosse realizada.

O que fazer ao receber o golpe dos nudes ou do pipi?

A principal recomendação de segurança quanto ao método mais recente de golpe envolvendo extorsão sexual é não interagir com os golpistas. Ligações de vídeo vindas de números desconhecidos não devem ser atendidas, enquanto o ideal é não responder mensagens de cunho sexual, seja em texto ou por meio de imagens, de forma a não gerar elementos que possam ser usados em extorsão, bloqueando o número na sequência.

Caso tenha atendido ou esteja recebendo tentativas de extorsão sexual, a vítima deve procurar a polícia para realização de boletim de ocorrência, bem como avisar conhecidos, familiares e cônjuges sobre a prática. Acima de tudo, é importante não realizar o pagamento, já que isso não garante nem mesmo que os pedidos por dinheiro irão cessar.

Um alerta recente da ESET sobre os perigos da extorsão sexual também envolve a obtenção do maior número possível de evidências. Por isso, ao cair no golpe, é importante realizar registros de conversas e tentativas de extorsão antes de realizar o bloqueio do número e deletar a conversa, de forma que as provas possam ser passadas à polícia para que as investigações possam acontecer.

Os avisos da empresa especializada em segurança também se estendem às crianças ou menores de idade, que também podem acabar sendo vítimas de golpes desse tipo. As indicações de cautela no uso de aplicativos e redes sociais também se aplicam aqui, com os pais também devendo orientar os pequenos a procurá-los sempre que acreditarem ter sido assediadas, assim como ensinar os principais indicadores de abuso.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: