Mercado abrirá em 4 h 8 min
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,69 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,11 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,82
    +1,56 (+2,35%)
     
  • OURO

    1.783,10
    -0,80 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    48.275,66
    -1.175,79 (-2,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.234,60
    -207,16 (-14,37%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,72 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.351,21
    -415,48 (-1,75%)
     
  • NIKKEI

    27.927,37
    -102,20 (-0,36%)
     
  • NASDAQ

    15.718,00
    +0,25 (+0,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3755
    -0,0198 (-0,31%)
     

Recém-nascidos que dormem mais à noite têm menos risco de engordar

·2 min de leitura

RIO — Pesquisadores da Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, descobriram que recém-nascidos que dormem por mais tempo e com menos interrupções durante o sono têm risco menor de sobrepeso. Os resultados do novo estudo foram publicados recentemente na revista SLEEP, publicação oficial da Sociedade de Pesquisa do Sono.

Os responsáveis pela pesquisa acompanharam 298 recém-nascidos durante os seis primeiros meses de vida e observaram que, para cada hora acrescentada ao sono noturno — período entre 19 horas e 8 horas, os bebês passaram a ter um risco 26% inferior de engordar. Além disso, cada interrupção a menos durante o sono diminuiu o risco de sobrepeso em 16%.

A análise foi possível graças a uma parceria com mães que realizaram o parto no Hospital Geral de Massachusetts, em Boston, nos EUA, entre 2016 e 2018. Diferente de outros estudos sobre sono infantil, que normalmente se baseiam somente em informações fornecidas pelos pais, os pesquisadores utilizaram relógios específicos de tornozelo, que monitoram ciclos de atividade e descanso, para rastrear o movimento noturno.

Além disso, os pais mantiveram diários sobre o recém-nascido em que compartilharam observações sobre atividades que podem impactar o padrão de sono ou de peso, como a frequência com que amamentavam ou se o bebê havia comido alimentos sólidos antes dos quatro meses.

Ao final da análise, os pesquisadores descobriram que os bebês que progrediram para um sono noturno estável, de em média 8,8 horas por noite e com poucas interrupções, foram menos propensos ao sobrepeso durante os primeiros seis meses de vida.

Para os responsáveis pelo estudo, as evidências até agora sugerem que o sono suficiente e consolidado pode ser uma ferramenta poderosa na redução dos riscos de obesidade no início da vida.

A pesquisa é parte de um estudo maior, de cinco anos, chamado “Rise and SHINE (Sleep Health in Infancy & Early Childhood)”, que analisa as maneiras pelas quais o sono pode influenciar o crescimento e o desenvolvimento de um recém-nascido.

Eles suspeitam que a relação pode ser pelo fato de alguns pais acalmarem os recém-nascidos que têm dificuldades para dormir com leite ou alimentos sólidos. Além disso, eles apontam que, se um bebê não tiver um sono de boa qualidade, pode ser que ele sinta fome e cansaço no dia seguinte, o que leva a mais alimentação e menos movimento e, consequentemente, para um aumento do peso.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos