Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.819,70
    +650,56 (+1,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Rebeca tem desempenho histórico com ouro e prata no Mundial de ginástica

·3 min de leitura
***ARQUIVO***RIO DE JANEIRO, RJ, 17.06.2021 - Retrato da ginasta brasileira Rebeca Andrade, medalhista olímpica em Tóquio. (Foto: Ricardo Borges/Folhapress)
***ARQUIVO***RIO DE JANEIRO, RJ, 17.06.2021 - Retrato da ginasta brasileira Rebeca Andrade, medalhista olímpica em Tóquio. (Foto: Ricardo Borges/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Rebeca Andrade voltou a fazer história. Medalhista olímpica de ouro no salto há menos de três meses, ela agora também é campeã mundial nesse aparelho. Neste sábado (23), a brasileira confirmou o favoritismo e venceu com sobras a prova no Campeonato Mundial de ginástica artística em Kitakyushu, no Japão.

Cerca de duas horas depois, levou a prata nas barras assimétricas. A primeira ginasta do país a ir ao pódio em Olimpíadas agora também é a primeira representante, entre homens e mulheres, a conquistar duas medalhas numa mesma edição do Mundial.

No salto, a média de suas duas notas foi 14,966, bem acima da segunda colocada, a italiana Asia D'Amato, com 14,083. Na classificação, Rebeca já havia ficado confortavelmente à frente das concorrentes, com 14,800.

A russa Angelina Melnikova, única entre as outras finalistas dos Jogos de Tóquio a também marcar presença na final em Kitakyushu, foi bronze (13,966).

A brasileira de 22 anos se juntou a outros quatro representantes do país que já obtiveram a primeira posição em Mundiais: Daiane dos Santos, Diego Hypolito, Arthur Zanetti e Arthur Nory.

Na ginástica feminina, o Brasil tinha até então duas medalhistas além de Daiane, ouro no solo em 2003: Jade Barbosa, com dois bronzes, um deles também no salto, em 2010, e Daniele Hypolito, prata no solo em 2001.

Nas barras assimétricas, Rebeca também havia avançado à final com a maior nota (15,100), mas cometeu um erro em sua apresentação na final e recebeu 14,633. Acabou superada pela chinesa Xiaoyuan Wei (14,733). O bronze foi para a outra chinesa, Rui Luo, também com 14,633, mas que teve nota de partida menor que a da brasileira e por isso terminou na terceira posição.

Ainda que tivesse nível técnico para sair com dois ouros, o desempenho que garantiu a prata nas barras credencia Rebeca a competir em alto nível em um aparelho no qual não fez final em Tóquio.

O primeiro Mundial após as Olimpíadas costuma ser desfalcado de estrelas e tem apenas as disputas individuais. Esta é a primeira vez desde 1996 que a competição é realizada no mesmo ano dos Jogos Olímpicos, em razão das mudanças de calendário provocadas pela pandemia.

Sem Simone Biles na disputa, Rebeca é tratada como principal nome do evento, ao lado do atleta da casa Daiki Hashimoto, e justificou neste sábado seu novo papel como celebridade do esporte.

Por opção dela e da Confederação Brasileira de Ginástica antes da competição, Rebeca não se apresentou no solo. Com isso, também não disputou medalha no individual geral (em que as ginastas competem nos quatro aparelhos).

A performance no tablado é a mais exigente para os joelhos, parte do corpo especialmente sensível para a atleta. Ela já passou por três cirurgias no joelho direito e, por causa disso, perdeu os Mundiais de 2015, 2017 e 2019.

Agora, além de aproveitar o momento especial de brilho na carreira, Rebeca também deseja se poupar com os Jogos Olímpicos de Paris-2024 na mira.

Neste domingo (24), às 5h, ela ainda se apresentará na final da trave, em que não é favorita —passou com a última nota na classificatória. Caio Souza encerra a participação do Brasil nas barras paralelas às 6h.

BRASILEIROS MEDALHISTAS EM MUNDIAIS DE GINÁSTICA

Ouro

Daiane dos Santos – solo – Anaheim (EUA)/2003

Diego Hypolito – solo – Melbourne (AUS)/2005

Diego Hypolito – solo – Stuttgart (ALE)/2007

Arthur Zanetti – argolas – Antuérpia (BEL)/2013

Arthur Nory – barra fixa – Stuttgart (ALE)/2019

Rebeca Andrade - salto - Kitakyushu (JAP)/2021

Prata

Daniele Hypolito – solo – Ghent (BEL)/2001

Diego Hypolito – solo – Aarhus (DIN)/2006

Arthur Zanetti – argolas – Tóquio (JAP)/2011

Arthur Zanetti – argolas – Nanning (CHN)/2014

Arthur Zanetti – argolas – Doha (QAT)/2018

Bronze

Jade Barbosa – individual geral – Stuttgart (ALE)/2007

Jade Barbosa – salto – Roterdã (HOL)/2010

Diego Hypolito – solo – Tóquio (JAP)/2011

Diego Hypolito – solo – Nanning (CHN)/2014

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos