Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,33 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,59 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    43.253,38
    +630,62 (+1,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,20 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,84 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Rebeca Andrade conquista ouro e entra para a história da ginástica artística no Brasil

·2 minuto de leitura
Rebeca Andrade corre durante competição do salto
Rebeca Andrade corre durante competição do salto

Rebeca Andrade fez história neste domingo (01/08). Ela conquistou a primeira medalha de ouro do Brasil na história da ginástica artística feminina nas Olimpíadas, durante competição do salto.

A brasileira foi a única entre as competidoras a conseguir média acima de 15,000 no salto neste domingo. A americana Mykayla Skinner conquistou a prata (14,916). O bronze ficou com a sul-coreana Seojeong Yeo (14,733).

Na quinta-feira (29/07), ela já havia conquistado um feito inédito: a primeira medalha do Brasil na ginástica artística feminina nas Olimpíadas. Na data, ela ganhou prata no individual geral.

Apesar de o Brasil ter uma tradição forte na ginástica artística — com a conquista de diversas medalhas de ouro em campeonatos mundiais e participação em finais olímpicas, além de dominar o esporte na América do Sul — o país jamais havia conquistado uma medalha feminina em Olimpíadas até a última quinta-feira.

As medalhas de Rebeca Andrade representam também uma espécie de redenção para a ginástica artística brasileira, que tem um histórico de dificuldades em Olimpíadas, com diversos atletas chegando a finais com boas condições de medalhas, mas sem conseguir ir ao pódio.

De Guarulhos para o mundo

Natural de Guarulhos (SP), Rebeca Andrade, de 22 anos, tem uma história pessoal de superação.

Ela enfrentou diversas lesões para chegar às Olimpíadas, passou por três cirurgias no joelho e chegou a pensar em desistir da ginástica.

Em 2015, ela ela rompeu o ligamento cruzado do joelho direito em 2015, algo que se repetiu em 2017. Em 2019, ela operou o joelho direito pela terceira vez. Naquela ocasião, faltava apenas um ano para os Jogos — que ainda não haviam sido adiados — e Rebeca ainda não havia obtido classificação.

Em uma competição olímpica marcada pela discussão aberta sobre saúde mental, assunto trazido à tona pela estrela Simone Biles, Rebeca também teve seus momentos desafiadores. Ela diz que recebeu muito apoio da sua mãe e do treinador Francisco Porath para superar os momentos de dificuldade, inclusive tendo que morar no Rio de Janeiro, longe da família.

Desde os 13 anos de idade, ela recebe apoio de uma psicóloga — que Rebeca diz ter sido fundamental na sua trajetória. Além da solidão, enfrentou a ansiedade com os problemas físicos que poderiam ter encerrado sua carreira.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos