Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.132,53
    +346,23 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.200,59
    -535,89 (-1,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,81
    +0,10 (+0,22%)
     
  • OURO

    1.807,30
    +1,80 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    18.692,83
    -348,00 (-1,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    368,46
    -2,05 (-0,55%)
     
  • S&P500

    3.629,65
    -5,76 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    29.872,47
    -173,77 (-0,58%)
     
  • FTSE

    6.391,09
    -41,08 (-0,64%)
     
  • HANG SENG

    26.669,75
    +81,55 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    26.296,86
    +131,27 (+0,50%)
     
  • NASDAQ

    12.171,25
    +19,00 (+0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3391
    -0,0578 (-0,90%)
     

Realme promete celulares a preços acessíveis em todas as categorias no Brasil

Felipe Junqueira
·5 minuto de leitura

A Realme está pronta para entrar no mercado brasileiro não apenas com celulares, mas com todo um ecossistema de produtos inteligentes, que incluem produtos de áudio, vestíveis e dispositivos de estilo de vida.

O Canaltech conversou com Sherry Dong, diretora de marketing da empresa, para entender a ambiciosa meta de ser uma das três maiores fabricantes de celulares do Brasil, conhecer melhor a companhia e, claro, descobrir um pouco melhor a estratégia da Realme no país. A executiva apresentou alguns pontos e mostrou um bom conhecimento do país, revelando que o foco é o público jovem.

Dong acredita que o consumidors brasileiros, ao menos aqueles que já cresceram com a tecnologia à disposição, possuem um bom conhecimento tecnológico e anseiam pela presença de boas fabricantes no país. E para conquistar uma boa fatia, a Realme já tem parceria com varejistas como B2W e Amazon e também vai vender produtos no Mercado Livre.

Além disso, a empresa pretende dar início às operações inicialmente com produtos importados, mas já planeja passar a produzir localmente para “gerar empregos para os jovens brasileiros”. E não serão apenas celulares, mas também produtos AIoT, ou seja, dispositivos com inteligência artificial para casa conectada.

Veja abaixo nossa conversa completa com Sherry Dong.

Sherry Dong, diretora de marketing da Realme (Imagem: Divulgação/Realme)
Sherry Dong, diretora de marketing da Realme (Imagem: Divulgação/Realme)

Canaltech: No anúncio, a Realme fala em ocupar o top 3 entre fabricantes de smartphones no Brasil, apesar de não ter deixado muito claro em quanto tempo pretende chegar a esse posto. Quais estratégias a empresa já traçou para atingir esse objetivo ousado?

Sherry Dong: Planejamos nossa entrada no Brasil desde o início de 2020. A pandemia nos fez desacelerar nossos passos, mas estamos entrando no mercado com o objetivo de ser o Top 3 no Brasil em 5 anos.

Baseamos nosso objetivo em nossa estratégia 5G e AIoT: a duas melhores oportunidades para a Realme no Brasil. Queremos ser os responsáveis por popularizar 5G e AIoT no Brasil, trazendo produtos 5G desde o início de 2021 e atualizar todos os produtos do 4G para 5G em dois a três anos. A Realme vai lançar mais de 20 produtos AIoT no Brasil em 2021, incluindo áudio inteligente, vestíveis e outros produtos de estilo de vida.

Já somos revolucionários globalmente. Como a marca de celulares que cresceu mais rápido em cinco trimestres consecutivos, a Realme também foi a mais rápida a chegar a 50 milhões de usuários. Vamos agitar a indústria de smartphones do Brasil com os melhores produtos em desempenho e tendência em design para cada segmento de preço com valores mais razoáveis.

CT: Tem alguma parceria em vista, ou a Realme chega ao Brasil por conta própria?

SD: Sim, nós já estamos coordenando cooperação aprofundada com parceiros no Brasil para a melhor experiência do usuário. Apesar de sermos novos aqui, a Realme é uma companhia internacional e está montando uma equipe localizada em estreita colaboração com operadoras locais e parceiros para fornecer experiência mais adequada e premium para nossos consumidores brasileiros.

Para nossa entrada no mercado brasileiro, já temos parceria com Mercado Livre, B2W e Amazon para vendas online.

Estratégia da empresa inclui trazer não apenas celulares como também produtos de Internet das Coisas com IA (Imagem: Divulgação/Realme)
Estratégia da empresa inclui trazer não apenas celulares como também produtos de Internet das Coisas com IA (Imagem: Divulgação/Realme)

CT: O brasileiro é um pouco reticente com marcas pouco conhecidas, o que pode dificultar a chegada da Realme no início. A empresa já tem uma ideia para driblar isso?

SD: Os jovens brasileiros há muito já mostram ser bastante abertos a novas tecnologias e o nível de alfabetização tecnológica e entusiasmo no país é alto. Baseado no feedback de nossas redes sociais, acreditamos que os jovens brasileiros anseiam por um novo concorrente.

Produtos, bons produtos, é por isso que temos tanta confiança no mercado. Com nossos produtos, somos os melhores competidores em vários mercados.

5G para o Brasil: 1) entrando no Brasil agora, a Realme mira principalmente trazer as tendências em 5G Para o país; 2) acreditamos que o 5G será uma oportunidade inesperada para a Realme, e planejamos ser os divulgadores do 5G aqui; 3) a Realme vai lançar produtos 5G desde o início de 2021 e atualizar todos os produtos no Brasil de 4G para 5G em dois a três anos;

AIoT para todos: com a estratégia de dois núcleos ‘smartphone + AIoT’, vamos trazer mais de 20 produtos de casa conectada com design inovador e preço mais acessível para popularizar a tecnologia mais recente.

CT: A Realme vai importar os produtos no primeiro momento para o Brasil. Existe algum plano de instalar uma fábrica no país para reduzir custos? Já tem algum estudo em andamento sobre isso?

SD: Sim, esta é a nossa estratégia de longo prazo para operar no Brasil. Estamos trabalhando para abrir escritórios no país e pretendemos iniciar nossa operação total em breve para produzir nossos produtos e podermos criar mais empregos para os jovens brasileiros.

CT: Dá para adiantar o preço de algum dos smartphones a serem lançados aqui?

SD: Não posso falar de preços no momento, mas posso assegurar que estamos aqui para trazer os melhores valores para os jovens e acreditamos que, com produtos premium em cada segmento, vamos fazer da Realme Top 3 no Brasil em 5 anos.

Fones de ouvido Buds Q serão lançados logo no início da operação no Brasil (Imagem: Divulgação/Realme)
Fones de ouvido Buds Q serão lançados logo no início da operação no Brasil (Imagem: Divulgação/Realme)

CT: O anúncio falou sobre as linhas de smartphones que devem chegar ao país. Mas e quanto aos outros produtos do ecossistema? Que tipos de dispositivos a empresa pretende trazer?

SD: Entraremos no Brasil com mais produtos além de nossos smartphones. No início, vamos trazer produtos AIoT para nosso primeiro lançamento, como os Realme Buds Q, desenhado por José Lévy, designer da Hermès. Ele pesa só 3,6 g, mais leve que uma folha de papel A4, e tem até 20 horas de bateria.

5G e AIoT são as duas melhores oportunidades para a Realme no Brasil. Entrando no país agora, miramos principalmente as tendências de 5G no Brasil. E com nossa estratégia de ‘1+4+N’, vamos lançar mais de 20 produtos AIoT em 2021 aqui.

1+4+N é um ecossistema com celular, mais vestíveis e TV, mais uma infinidade de outros dispositivos inteligentes (Imagem: Divulgação/Realme)
1+4+N é um ecossistema com celular, mais vestíveis e TV, mais uma infinidade de outros dispositivos inteligentes (Imagem: Divulgação/Realme)

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: