Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.391,23
    +205,90 (+0,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Em cinco anos, real perdeu 30% do poder de compra

Real - BRL, money from Brazil. Brazilian coins inside a coin purse with a view from above and close-up photo. Brazilian economy, 1 Real currency, finance.
Os brasileiros perderam consideravelmente o poder de compra nos últimos anos (Getty Image)
  • Alta na inflação sem reajuste salarial fez com que o real valesse cada vez menos

  • Famílias mais pobres são as mais atingidas pela perda de poder aquisitivo

  • Com a mesma quantidade de dinheiro é possível comprar dois terços do que adquiria antes

Não é impressão sua: o dinheiro vale cada vez menos. Com o aumento constante da inflação, o real perder 31,32% do valor de compra em apenas 5 anos. Ou seja, com a mesma quantidade de dinheiro o brasileiro compra apenas dois terços do que conseguia adquirir antes.

O valor do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) registrado no país em 2018 saltou para 11,30%, neste ano. Essa mudança afeta especialmente as famílias mais pobres. Isso porque com os produtos básicos mais caros e com salários que não acompanham o aumento de preços, pessoas com menor renda podem consumir cada vez menos.

"O brasileiro sente mais a inflação porque está nos produtos e serviços que a população mais consome no dia a dia: gasolina, gás de cozinha, alimentos, energia elétrica e aluguel. Complementando, vem o salário do consumidor que teve poucos reajustes nesse período, principalmente por conta da pandemia", explicou o economista abio Louzada, analista CNPI e CEO da escola Eu Me Banco, em entrevista ao G1.

O especialista também ressalta que fatores nacionais e internacionais contribuíram para a situação atual. "Quanto maior a instabilidade global, mais os investidores tiram dinheiro dos emergentes. A pandemia foi o principal fator nesse período, seguida da guerra na Ucrânia", afirmou.

Além da perda do poder de compra, essa alta também reflete nos juros pagos pelos brasileiros, dificultando até mesmo o acesso a empréstimos. A saída é cortar gastos e deixar de comprar itens essenciais.

Nos últimos seis meses, por exemplo. mais de 60% da população teve que cortar gastos nos últimos seis meses, de acordo com uma pesquisa divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) no final de abril.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos