Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    34.963,16
    -205,29 (-0,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Real digital: Banco Central divulga diretrizes para CBDC brasileiro

·3 minuto de leitura

O Banco Central do Brasil divulgou na manhã desta segunda-feira (24) as diretrizes que servirão de base para a criação do real digital.

As regras foram reveladas pelo Banco Central na segunda-feira (24) e surgem como resultado de um grupo de estudos da entidade que analisou o assunto desde agosto de 2020. Conforme adiantou o BeInCrypto, o objetivo da pesquisa não era a implementação da moeda digital brasileira e sim descobrir sua viabilidade.

A CBDC é um tipo de criptomoeda que é gerido pelo Banco Central de um país. Na prática, ela opera como uma versão digital de uma moeda fiduciária.

De acordo com o BC, as discussões obre a CBDC ocorreram porque o tema “ganhou proeminência ao longo dos últimos anos”, devido à aceleração da migração de diversos setores da economia para o mundo digital.

Segundo definido pelo Grupo de Trabalho Interdepartamental (GTI) criado pela Portaria nº 108.092, de 20 de agosto de 2020, as diretrizes para a criação da moeda digital brasileira são as seguintes:

  • ênfase na possibilidade de desenvolvimento de modelos inovadores a partir de evoluções tecnológicas, como contratos inteligentes (smart contracts), internet das coisas (IoT) e dinheiro programável;

  • previsão de uso em pagamentos de varejo;

  • capacidade para realizar operações online e eventualmente operações offline;

  • emissão pelo BCB, como uma extensão da moeda física, com a distribuição ao público intermediada por custodiantes do Sistema Financeiro Nacional (SFN) e do Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB);

  • ausência de remuneração;

  • garantia da segurança jurídica em suas operações;

  • aderência a todos os princípios e regras de privacidade e segurança determinados, em especial, pela Lei Complementar nº 105, de 2001 (sigilo bancário), e pela Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais;

  • desenho tecnológico que permita integral atendimento às recomendações internacionais e normas legais sobre prevenção à lavagem de dinheiro, ao financiamento do terrorismo e ao financiamento da proliferação de armas de destruição em massa, inclusive em cumprimento a ordens judiciais para rastrear operações ilícitas;

  • adoção de solução que permita interoperabilidade e integração visando à realização de pagamentos transfronteiriços;

  • adoção de padrões de resiliência e segurança cibernética equivalentes aos aplicáveis a infraestruturas críticas do mercado financeiro.

Debate com a sociedade

banco central selic
banco central selic

O Banco Central frisou que a divulgação das diretrizes não significa que o órgão está desenvolvendo uma CBDC nacional. Antes disso, ele ressalta, é “importante aprofundar a discussão do assunto, incluindo o diálogo com o setor privado”. O objetivo é conseguir uma análise mais detalhada de casos que possam ser beneficiados com o uso da moeda digital e entender as melhores tecnologias de implementação.

A discussão interna da CBDC brasileira começou no Banco Central através do Grupo de Trabalho Interdepartamental (GTI) criado pela Portaria 108.092 de 20 de agosto de 2020. O objetivo da entidade era entender se a moeda digital podia atender a alguns requisitos entendidos como imprescindíveis, como

  • Acompanhar o dinamismo da evolução tecnológica da economia brasileira;

  • Aumentar a eficiência do sistema de pagamentos de varejo;

  • Contribuir para o surgimento de novos modelos de negócio e de outras inovações baseadas nos avanços tecnológicos;

  • Favorecer a participação do Brasil nos cenários econômicos regional e global, aumentando a eficiência nas transações transfronteiriças.

Ainda não se sabe como serão os diálogos propostos pelo BC para aprofundar o estudo da moeda digital brasileira e também não há data prevista para o início de seu desenvolvimento. O Banco Central, por outro lado, lembra que seu entendimento sobre o assunto não é fixo e pode mudar de acordo com o resultado dos próximos passos.

O artigo Real digital: Banco Central divulga diretrizes para CBDC brasileiro foi visto pela primeira vez em BeInCrypto.