Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.717,94
    -517,82 (-0,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.460,55
    +652,34 (+1,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    94,02
    -0,32 (-0,34%)
     
  • OURO

    1.803,40
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    23.961,84
    +26,45 (+0,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    573,13
    -1,61 (-0,28%)
     
  • S&P500

    4.207,27
    -2,97 (-0,07%)
     
  • DOW JONES

    33.336,67
    +27,16 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.465,91
    -41,20 (-0,55%)
     
  • HANG SENG

    20.082,43
    +471,59 (+2,40%)
     
  • NIKKEI

    27.819,33
    -180,63 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    13.333,25
    +22,00 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3236
    -0,0001 (-0,00%)
     

Reajustes do vale-refeição ficam abaixo da inflação

Reajustes não foram suficientes para manter o poder de compra do trabalhador (Getty Image)
Reajustes não foram suficientes para manter o poder de compra do trabalhador (Getty Image)
  • Sodexo informou que empresas fizeram reajustes nos valores do benefício do VR e VA

  • Aumento no vale-refeição ficou abaixo da inflação acumulada

  • Alimentos ficaram significativamente mais caros nos últimos 12 meses

Os trabalhadores que recebem vale-refeição e alimentação precisarão continuar a falar malabarismos para garantir as refeições diárias utilizando o benefício. Apesar da inflação média de 12 meses estar a 10,08%,, o valor médio do VR subiu apenas 7,42%.

A conclusão veio após um levantamento realizado pela Sodexo, uma das principais empresas fornecedoras de vale-alimentação e refeição do país.

Durante o primeiro trimestre de 2022, as empresas de todos os portes (pequenas, médias e grandes) elevaram o valor médio do crédito dos benefícios Sodexo Alimentação Pass e Sodexo Refeição Pass para os times de funcionários.

Enquanto o vale-alimentação subiu mais de 10%, o vale-refeição aumentou apenas 7,42%. De acordo com o IPCA, Índice de Preços ao Consumidor Amplo medida pelo IBGE, o acumulado de 12 meses ficou em 11,3% até março. A alimentação no domicílio subiu 13,73%, e a fora do domicílio, 6,22%.

Na questão salarial, os reajustes da maior parte dos trabalhadores ficou abaixo ou igual ao índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), indicador referência para os aumentos, que ficou em 11,73% no período.

Considerando as negociações cadastradas no Ministério do Trabalho e Previdência, os aumentos que ficaram abaixo do INPC tiveram a maior proporção: 39,9%, enquanto 0,9% tiveram reajustes iguais ao INPC. Apenas 29,2% das pessoas tiveram aumento acima da inflação.

Com os produtos mais caros a cada dia, o dinheiro valendo cada vez menos e os reajustes sem aumento real, cada refeição fica mais salgada para o bolso dos brasileiros.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos