Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.938,14
    +1.601,90 (+4,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Apenas 18,7% se beneficiarão de baixa nos valores de planos de saúde

·1 minuto de leitura
Stethoscope best
ANS regula apenas planos de saúde individuais, deixando de fora os coletivos
  • ANS anunciou reajuste de - 8,19% nos planos de saúde

  • Apenas 18,7% dos convênios em vigor no país serão contemplados

  • Agência regula apenas planos individuais

A ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) divulgou na última quinta-feira uma redução máxima de 8,19% nos valores dos contratos individuais de planos de saúde até abril de 2022. Entretanto, apenas 18,7% dos usuários brasileiros serão beneficiados, segundo o Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor), já que o reajuste negativo é voltado apenas para contratos individuais. As informações são do UOL.

Leia também:

O mercado de saúde suplementar oferece muito menos opções desse tipo, além de os valores de contratação serem mais altos, apesar de os reajustes serem mais baixos.

Coletivo x individual

Enquanto isso, o reajuste médio para planos coletivos foi de 11,28% no ano passado, segundo pesquisa do Idec com as maiores operadoras do país. Isso representa uma diferença de três pontos percentuais acima do máximo estabelecido pela agência reguladora para convênios individuais, os únicos regulados pela ANS. 

Para a coordenadora do Programa de Saúde do Idec, Ana Carolina Navarrete, "o anúncio exacerba a maior distorção regulatória no Brasil atualmente, que é a desigualdade de proteção entre os consumidores com planos individuais e aqueles que dependem de contratos coletivos, que são a maioria”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos