Mercado fechará em 6 h 9 min
  • BOVESPA

    120.459,36
    +538,75 (+0,45%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.039,49
    +104,58 (+0,21%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,59
    -0,12 (-0,19%)
     
  • OURO

    1.830,30
    +14,60 (+0,80%)
     
  • BTC-USD

    57.322,84
    -156,22 (-0,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.492,04
    +56,26 (+3,92%)
     
  • S&P500

    4.223,27
    +21,65 (+0,52%)
     
  • DOW JONES

    34.642,91
    +94,38 (+0,27%)
     
  • FTSE

    7.111,57
    +35,40 (+0,50%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.709,75
    +112,00 (+0,82%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3532
    -0,0134 (-0,21%)
     

Reabertura de restaurantes em Manhattan tem falta de mão de obra

Natalie Wong
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Os restaurantes de Manhattan estão lutando contra uma escassez de mão de obra que ameaça prejudicar a reabertura do setor.

Funcionários experientes de restaurantes, que deixaram Nova York durante o lockdown do ano passado, não têm pressa em voltar enquanto os turistas e empregados de escritórios ainda estão em casa. Depois de um ano de pandemia, a escassez está obscurecendo os sinais de esperança para restaurantes, enquanto a cidade se esforça para reabrir totalmente em julho.

Isso está colocando em apuros donos de restaurantes como Mark Fox. O presidente e fundador do Fox Lifestyle Hospitality Group é dono de quatro restaurantes em Manhattan, mas está preocupado com a possibilidade de que as estreias de outros dois marcadas para o terceiro trimestre sejam adiadas porque ele não consegue encontrar funcionários.

“A falta de pessoal é real”, disse Fox, que já havia adiado a reabertura do White Oak Tavern em Greenwich Village. “Não quero perder receita, mas não vou perder a reputação do restaurante ao tentar abri-lo com funcionários mal treinados.”

As dificuldades da indústria de restaurantes representam um grande obstáculo para a recuperação mais ampla em Manhattan, onde eles têm uma relação simbiótica com escritórios e hotéis. Com apenas 16% dos funcionários de escritórios de volta às suas mesas em 21 de abril, o caminho é difícil.

Para administrar seus negócios de maneira adequada, Fox precisa contratar mais 60 funcionários. Ele precisará de sorte para encontrá-los.

Em uma cidade onde cerca de 5.000 restaurantes fecharam desde março passado, alguns funcionários do setor que se mudaram durante a pandemia não planejam retornar. Outros mudaram de ocupação para trabalhar em setores nos quais os horários são mais razoáveis.

E há quem prefira ficar desempregado nos próximos meses a trabalhar em um restaurante meio vazio. Mais trabalhadores estão indo para os Hamptons e outros pontos quentes, onde os jantares são fartos e gorjetas robustas são garantidas.

Mesmo com as dificuldades de pessoal, o aluguel está em alta. Os negócios de alimentos e bebidas foram responsáveis por 50% de todos os novos contratos de varejo no primeiro trimestre, segundo dados da Cushman & Wakefield.

Muitos dos negócios se concentraram em bairros com tendência residencial, como Upper East Side e West Village. Mas os empresários também estão começando a apostar no renascimento dos distritos comerciais a longo prazo.

O chef José Andrés - indicado ao Prêmio Nobel de 2019 por seu trabalho sem fins lucrativos - está montando um posto avançado de seu famoso restaurante mediterrâneo Zaytinya no novo Ritz-Carlton New York em Nomad neste outono. Marcus Samuelsson concordou em alugar um espaço na base do edifício Starrett-Lehigh de West Chelsea para um novo restaurante e conceito culinário.

O Delmonico e a rede de restaurantes Urbanspace assinaram contratos na Times Square e no distrito financeiro, respectivamente, no início deste ano.

“Ajuda o fato de que os aluguéis são obviamente mais favoráveis do que seriam há um ou dois anos”, disse Michael Hirschfeld, vice-presidente da corretora Jones Lang LaSalle. “Estou vendo alguns aluguéis que são 50% mais baratos comparados ao final de 2019.”

No curto prazo, muitos restaurantes estão sobrevivendo com menos funcionários, reduzindo o horário comercial ou compartilhando empregados com outros estabelecimentos. Joseph Smith, dono da rede Bobby Van’s Steakhouse, disse que tem cerca de 50 funcionários e atrasou a reabertura de dois pontos, perto da Times Square e do Rockefeller Center.

“Wall Street não está de volta a todo vapor e os chefes que fazem o entretenimento não estão na cidade - eles estão na Flórida ou nos Hamptons”, disse Smith. “Alguns negócios estão voltando, mas é um processo lento. Mesmo se eu trouxer 40 pessoas para o almoço em vez de 140, ainda preciso ter uma equipe como se fossem 100 pessoas.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.