Mercado fechará em 1 h 22 min
  • BOVESPA

    109.675,70
    -464,94 (-0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.909,81
    +34,90 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,00
    -1,88 (-2,48%)
     
  • OURO

    1.876,90
    -53,90 (-2,79%)
     
  • BTC-USD

    23.585,83
    -286,70 (-1,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    539,61
    +2,75 (+0,51%)
     
  • S&P500

    4.175,80
    -3,96 (-0,09%)
     
  • DOW JONES

    34.156,72
    +102,78 (+0,30%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.839,75
    -7,00 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5536
    +0,0639 (+1,16%)
     

Reabertura na China deve motivar novo recorde da demanda de petróleo em 2023, diz IEA

FOTO DE ARQUIVO: Campo de petróleo da Sinopec em Dongying

Por Noah Browning

LONDRES (Reuters) - A suspensão das restrições da Covid-19 na China deve elevar a demanda global de petróleo este ano para um novo recorde, disse a Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês) nesta quarta-feira, enquanto as sanções de teto de preço à Rússia podem prejudicar a oferta.

"Dois curingas dominam as perspectivas do mercado de petróleo para 2023: Rússia e China", disse o órgão de energia com sede em Paris em seu relatório mensal de petróleo.

“A oferta russa desacelera sob o impacto total das sanções (enquanto) a China impulsionará quase metade desse crescimento da demanda global, mesmo que a forma e a velocidade de sua reabertura permaneçam incertas”.

A fraca atividade industrial e o clima ameno ajudaram a reduzir a demanda de petróleo em quase um milhão de barris por dia nos países desenvolvidos da OCDE no último trimestre de 2022.

Mas, apesar de possíveis recessões leves na Europa e nos Estados Unidos, a esperada reabertura da China deve alimentar a recuperação nas economias asiáticas próximas, com o país tomando a liderança da Índia como líder mundial no crescimento da demanda por petróleo.

“O principal impulsionador do crescimento do PIB e da demanda por petróleo em 2023 será o momento e o ritmo da recuperação pós-lockdown da China”, disse a AIE.

Enquanto isso, o principal crescimento na oferta de petróleo deve vir dos Estados Unidos, já que a produção do grupo de produtores da Opep+ cairá em 870.000 barris por dia (bpd), princopalmente na Rússia.

A produção de petróleo da Rússia foi prejudicada em apenas 200.000 barris por dia (bpd) em dezembro, depois que a União Europeia proibiu importações de petróleo bruto transoceânico russo, e uma coalizão de países impôs um teto de preço ao petróleo, disse a IEA.

(Por Noah Browning)