Mercado fechado

Reabertura deve garantir só metade das vendas de Dia dos Namorados em SP

ISABELA BOLZANI E JÚLIA MOURA

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Lojistas de shopping esperam que as vendas para o Dia dos Namorados caiam pela metade neste ano.

O volume esperado é equivalente à redução no fluxo de faturamento e de pessoas em circulação nas estruturas físicas dos shoppings ante medidas de distanciamento social trazidas pela crise do coronavírus.

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, assinou nesta terça-feira (9) um termo de compromisso com 27 entidades representativas de imobiliárias e comércio de rua para a reabertura já nesta quarta-feira (10). Segundo Covas, a expectativa é que um termo semelhante seja assinado com o setor de shopping centers para que as estruturas voltem a funcionar na quinta-feira (11).

Segundo o presidente da Alshop (Associação dos Lojistas de Shopping), Nabil Sahyoun, apesar da permissão de reabertura cedida pela Prefeitura de São Paulo, as pessoas ainda estão receosas em relação ao contágio pelo novo vírus.

“Também existe a questão sobre as restrições de reabertura neste primeiro momento. Quatro horas de funcionamento equivalem a apenas um terço do movimento normal”, afirmou Sahyoun.

Além do horário reduzido, o governo também estipulou a entrada limitada de apenas 20% da capacidade do público.

“De qualquer maneira, temos uma expectativa positiva. O movimento para o Dia dos Namorados será apenas 50% do observado na data normal, mas depois tentaremos aumentar o horário de funcionamento e ganhar espaço. A primeira conquista é abrir as portas”, afirmou o presidente da associação dos lojistas.

Ainda segundo Sahyoun, outro movimento esperado para a data comemorativa é um aumento nas vendas online.

“Quem está habituado a ir ao shopping vai aproveitar para tentar sair de casa e respirar novos ares, até para sentir como as estruturas têm se preparado para essa retomada. Mas a tendência é que as vendas pelo ecommerce cresçam até 30% no período”, disse.