Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.499,72
    -9,67 (-0,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,80
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

Ratos "curtem" música e podem "dançar" espontaneamente

Você sabia que os ratos podem "dançar" espontaneamente conforme a música? Segundo um estudo publicado na revista Science Advances, esses animais se movem instintivamente de acordo com o ritmo da música que estiver tocando. Anteriormente, a comunidade científica acreditava que essa habilidade era exclusivamente humana.

Segundo o estudo, os ratos exibiram uma "sincronização inata", ou seja, sem qualquer treinamento ou exposição prévia à música ou à batida em questão. “A música exerce um forte apelo sobre o cérebro e tem efeitos profundos sobre a emoção e a cognição”, opinam os autores do estudo.

Para a pesquisa, dez ratos foram equipados com acelerômetros em miniatura para medir os movimentos da cabeça. Em seguida, os pesquisadores tocaram trechos de Mozart, em quatro tempos diferentes: 75%, 100%, 200% e 400% da velocidade original. Vinte voluntários humanos também participaram.

Ratos podem "dançar" espontaneamente, segundo estudo (Imagem: Pressmaster/Envato)
Ratos podem "dançar" espontaneamente, segundo estudo (Imagem: Pressmaster/Envato)

Os resultados mostraram que tanto o rato quanto os participantes humanos tinham uma sincronia de batida ideal quando a música estava na faixa de 120 a 140 batidas por minuto (bpm), perto dos 132bpm originais da composição de Mozart.

A equipe também descobriu que ratos e humanos balançavam a cabeça de acordo com a batida em um ritmo semelhante, e que o nível de movimento da cabeça diminuía à medida que a música era acelerada. “Nossos resultados sugerem que o tempo ideal para a sincronização de batidas depende da constante de tempo no cérebro”, conclui o estudo. A ideia, agora, é entender como outras propriedades musicais, como melodia e harmonia, se relacionam com a dinâmica do cérebro.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: