Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.197,82
    +967,70 (+0,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.845,83
    -200,75 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,03
    +1,51 (+1,75%)
     
  • OURO

    1.725,40
    -5,10 (-0,29%)
     
  • BTC-USD

    20.036,40
    -316,42 (-1,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    456,09
    -2,31 (-0,50%)
     
  • S&P500

    3.783,28
    -7,65 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    30.273,87
    -42,45 (-0,14%)
     
  • FTSE

    7.052,62
    -33,84 (-0,48%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,46 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.629,75
    -11,00 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1314
    -0,0365 (-0,71%)
     

Raríssima cobra é encontrada morta após engasgar com centopeia gigante

Uma raríssima cobra da espécie Tantilla oolitica foi encontrada morta na Flórida (EUA) após engasgar com uma centopeia gigante (Scolopendra alternans). A presa, que ficou alojada na garganta da cobra, também morreu. O ocorrido foi publicado em artigo na revista The Scientific Naturalist, no último dia 4.

A centopeia tinha cerca de um terço do tamanho de seu predador, e também é possível que a cobra tenha morrido não só pelo engasgo, mas por conta de uma dose letal do veneno da centopeia. As cobras da espécie Tantilla oolitica não são venenosas e medem de 15 a 28 centímetros de comprimento.

O último espécime vivo foi visto em 2015, mas em 2018 alguns cientistas encontraram um morto. O que acontece, conforme comentam os autores do estudo, é que essas pequenas cobras escavadoras passam a maior parte do tempo escondidas, e normalmente só são vistas depois que fortes chuvas as forçam a subir à superfície.

Raríssima cobra é encontrada morta após ter engasgado com centopeia venenosa (Imagem: Enge et al, 2022/The Scientific Naturalist)
Raríssima cobra é encontrada morta após ter engasgado com centopeia venenosa (Imagem: Enge et al, 2022/The Scientific Naturalist)

Para saber mais sobre o que exatamente matou a cobra, os cientistas usaram tomografia computadorizada para visualizar sua última refeição, sem danificar fisicamente o espécime. O tecido ainda estava intacto e em boas condições, revelando uma riqueza inesperada de detalhes.

Os exames revelaram que a traqueia da cobra estava comprimida e pode ter sido obstruída, possivelmente levando à asfixia. Segundo o estudo, as cobras frequentemente engolem presas grandes e podem vomitá-las se necessário, mas, neste caso, é provável que a estrutura da centopeia tenha impedido a regurgitação.

Outra teoria é que a cobra tenha sido ferida antes de engolir a centopeia, mas o veneno não a tenha impedido de engolir a presa. Caso seja esse o cenário correto, a espécie teria alguma resistência às toxinas da centopeia, mas trata-se de uma hipótese que ainda não foi confirmada.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: