Mercado fechará em 2 h 56 min
  • BOVESPA

    109.760,60
    -371,93 (-0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.006,86
    -193,73 (-0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,04
    -0,67 (-1,47%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +1,70 (+0,09%)
     
  • BTC-USD

    16.923,07
    -1.056,11 (-5,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    330,45
    -40,06 (-10,81%)
     
  • S&P500

    3.629,65
    -5,76 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    29.872,47
    -173,77 (-0,58%)
     
  • FTSE

    6.360,64
    -30,45 (-0,48%)
     
  • HANG SENG

    26.819,45
    +149,70 (+0,56%)
     
  • NIKKEI

    26.537,31
    +240,45 (+0,91%)
     
  • NASDAQ

    12.189,50
    +37,25 (+0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3198
    -0,0179 (-0,28%)
     

Rappi acusa iFood de práticas anticompetitivas e abre processo no Cade

Ramon de Souza
·1 minuto de leitura

O Rappi, aplicativo de origem colombiana, acaba de registrar um processo contra a plataforma brasileira iFood alegando que esta estaria adotando práticas anticompetitivas para sufocar a concorrência. A notificação foi registrada junto ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e, por enquanto, segue tramitando em sigilo; maiores detalhes devem ser divulgados em breve após os documentos se tornarem públicos.

Segundo o Rappi, o problema estaria nos contratos de exclusividade firmados entre o iFood e grandes restaurantes; esses acordos teriam altas taxas de rescisão e durações prolongadas, o que impede que os estabelecimentos negociem parcerias com outras plataformas similares. Isso, atrelado ao fato de que o iFood é líder no segmento no Brasil, dificultaria bastante a entrada de outras startups no mercado.

Vale ressaltar que o fechamento de contratos de exclusividade, por si só, não é uma prática abusiva, sendo uma estratégia perfeitamente comum em vários setores da economia. Porém, quando eles são utilizados em um segmento monopolizado para favorecer a empresa que já possui uma fatia grande do mercado, a tendência é que os órgãos antitruste entendam que se trata de uma ferramenta para sufocar a competição.

Trata-se de uma discussão relevante, especialmente se levarmos em conta que o mercado de delivery vislumbrou uma alta histórica desde o início da pandemia da COVID-19 — com os bloqueios, muitos passaram a solicitar entrega de alimentos e até mesmo itens básicos de sobrevivência. Ao Exame, a Rappi afirmou que não vai se pronunciar sobre o processo por enquanto; o Canaltech entrou em contato com o iFood; esta matéria será atualizada assim que a companhia nos enviar seu posicionamento.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: