Mercado fechará em 40 mins
  • BOVESPA

    107.688,49
    +130,82 (+0,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.822,60
    -95,68 (-0,19%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,59
    +0,54 (+0,75%)
     
  • OURO

    1.784,80
    +0,10 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    50.421,34
    -609,37 (-1,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.314,36
    +9,24 (+0,71%)
     
  • S&P500

    4.690,80
    +4,05 (+0,09%)
     
  • DOW JONES

    35.659,61
    -59,82 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    23.996,87
    +13,21 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    28.860,62
    +405,02 (+1,42%)
     
  • NASDAQ

    16.331,00
    +13,00 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2906
    -0,0491 (-0,77%)
     

Ransomware foi a ameaça que mais cresceu no segundo trimestre, afirma McAfee

·2 min de leitura

A McAfee Enterprise disponibilizou no começo de outubro seu Relatório de Pesquisa de ameaças avançadas, levantamento que examina a atividade criminosa virtual relacionada a ransomware e ameaças de nuvem durante o segundo trimestre de 2021. Segundo o estudo, os cibercriminosos estão utilizando novas ameaças e táticas em ataques direcionados principalmente aos setores governamentais, serviços financeiros, saúde e entretenimento.

O relatório destaca a predominância das campanhas de sequestro virtual (ransomware), ao mesmo tempo que seus métodos de operações passaram por mudanças, conseguindo extrair dados valiosos das empresas alvos e exigindo milhões como pagamento do resgate. O levantamento da McAfee destacou o golpe feito pelo grupo criminoso DarkSide contra a distribuidora Colonial Pipeline, que parou osocupou as manchetes de segurança cibernética no mês de maio.

"O ransomware evoluiu muito além de suas origens e os cibercriminosos se tornaram mais espertos e rápidos para articular suas táticas, além de contar com uma série de novos esquemas maliciosos”, afirma Raj Samani, cientista-chefe da McAfee Enterprise.

<em>Os 10 ransomware mais detectados no segundo trimestre. (Imagem: Divulgação/McAfee)</em>
Os 10 ransomware mais detectados no segundo trimestre. (Imagem: Divulgação/McAfee)

O relatório da McAfee também indica que as ameaças controladas pelos grupos criminosos DarkSide, Ryuk, REvil, Babuk e Cuba, foram as mais detectadas no período. O REvil, sozinho, foi responsável por 73% dos ataques entre os 10 agentes maliciosos mais citados.

A pesquisa também alerta sobre o LockBit 2.0, versão atualizada do LockBit de 2020, conhecido no mundo das ameaças digitais por sua velocidade em criptografar dados de máquinas afetadas. A ameaça foi utlizada no ataque sofrido pela Accenture no final de agosto.

Principais alvos

<em>Os 10 setores que mais foram alvos de ataques no segundo trimestre. (Imagem: Divulgação/MCaFee)</em>
Os 10 setores que mais foram alvos de ataques no segundo trimestre. (Imagem: Divulgação/MCaFee)

A pesquisa da McAfee também mostrou que as mudanças na segurança da computação na nuvem, para acomodar as mudanças no trabalho trazidos pela pandemia, deram aos criminosos cibernéticos mais alvos, e a tendência continuou no segundo trimestre de 2021. O levantamento afirma que os criminosos, a partir da nuvem, atacaram principalmente o setor financeiro, com só ele sendo responsável por 33% dos alertas no período. Em seguida estão os setores de saúde, manufatura, varejo e serviços profissionais.

<strong>Os 10 países que mais sofreram ataques no segundo trimestre. (Imagem: Divulgação/McAfee)</strong>
Os 10 países que mais sofreram ataques no segundo trimestre. (Imagem: Divulgação/McAfee)

Ainda de acordo com a pesquisa, no segundo trimestre de 2021, os 10 países que mais sofreram ataques foram Estados Unidos, Índia, Austrália, Canadá, Brasil, Japão, México, Grã-Bretanha, Singapura e Alemanha. No total, os EUA foram responsáveis por 52% dos incidentes relatados durante o segundo trimestre.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos