Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.555,62
    +118,61 (+0,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Ransomware Decryptor | 156 malware com chaves públicas compartilhadas

·2 min de leitura

Os ataques de sequestro virtual (ransomware) vêm se consolidando como uma das principais ameaças do mundo digital. Com o cenário da transformação digital causada pela pandemia da covid-19 em 2020, a situação se agravou, com cada vez mais pessoas e empresas se tornando alvos dessas ameaças.

Ransomware é uma categoria de ataque virtual em que um computador, quando infectado, tem seus dados criptografados, impedindo que eles possam ser acessados. Para poder liberar os arquivos, normalmente os criminosos exigem um resgate, ou, em inglês, ransom. Cair em um golpe desses é desesperador para qualquer usuário ou empresa, afinal, informações pessoais ou sensíveis podem estar correndo risco de serem divulgados publicamente, ou, se não houver backup, serem perdidos para sempre. Como resolver essa situação?

Bom, se infelizmente você chegou no ponto onde um dispositivo foi comprometido e os agentes maliciosos já estão pedindo resgate, a sua melhor alternativa é procurar por um ransomware decrypter.

Um ransomware decrypter (decifrador de ransomware, em tradução livre) é uma ferramenta digital desenvolvida para possibilitar a liberação de arquivos sequestrados virtualmente. Normalmente, elas são feitas com base em alguma chave de descriptografia das ameaças de sequestro virtual que acabou sendo disponibilizada publicamente na internet.

<em>Exemplo de um ransomware decrypter. (Imagem: Captura de Tela/Dácio Castelo Branco/Canaltech)</em>
Exemplo de um ransomware decrypter. (Imagem: Captura de Tela/Dácio Castelo Branco/Canaltech)

Cada uma dessas ferramentas são únicas para um agente malicioso específico, não havendo uma versão universal capaz de quebrar a criptografia de qualquer grupo. Porém, para comodidade de muitas empresas e usuários, o site No More Ransom existe.

O No More Ransom foi criado a partir de uma união entre algumas das maiores empresas de segurança do mundo, como Kaspersky, Avast, McAfee, Bitdefender e ESET, e reúne todos os decifradores de ameaças ransomware que atualmente estão disponíveis para o público em uma única página.

No total, 156 agentes maliciosos contam com ferramentas disponíveis no site No More Ransom para download. É importante, porém, frisar dois pontos: antes de usar um ransomware decrypter, certifique-se que o vírus não está mais presente no dispositivo, e também sempre leia as instruções de cada um dos aplicativos de liberação de dados antes de usá-los.

Confira a lista a seguir de todas as ameaças ransomware com decifradores disponíveis no site No More Ransom, assim como o link para o manual de uso de cada uma das ferramentas:

Aviso: Embora 156 agentes sejam um número considerável, há chances de golpes ransomware além dos listados infectarem uma máquina. Nesses casos, o ransomware decrypter pode não existir, mudando a forma a qual se deve reagir ao ataque.

Para baixar as ferramentas, basta visitar o No More Ransom, disponível aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos