Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.259,75
    -658,25 (-0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.707,72
    +55,52 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,78
    -0,07 (-0,18%)
     
  • OURO

    1.903,40
    -1,80 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    13.017,00
    -0,53 (-0,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,05
    -1,40 (-0,54%)
     
  • S&P500

    3.465,39
    +11,90 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    28.335,57
    -28,13 (-0,10%)
     
  • FTSE

    5.860,28
    +74,63 (+1,29%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,68 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.516,59
    +42,29 (+0,18%)
     
  • NASDAQ

    11.669,25
    +5,75 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6630
    +0,0529 (+0,80%)
     

Ralph Lauren demitirá milhares de pessoas para reduzir custos e lidar com efeitos de pandemia

·2 minutos de leitura

(Reuters) - A Ralph Lauren <RL.N> disse nesta terça-feira que cortará 15% de sua força de trabalho global até o final deste ano fiscal, enquanto a varejista de luxo se esforça para reduzir custos e superar o impacto do Covid-19 nas vendas e hábitos de compra.

O grupo de moda com sede em Nova York, que tem 530 lojas em todo o mundo, disse que as mudanças gerariam mais negócios online.

A empresa não disse quantos ou quais tipos de empregos poderiam ser cortados, mas com base em sua força de trabalho total relatada pela última vez de cerca de 24.900 funcionários, as mudanças podem impactar mais de 3.700 funcionários.

"As mudanças que estão acontecendo no mundo ao nosso redor intensificaram as mudanças que vimos antes do Covid e estamos acelerando alguns de nossos planos para lidar com elas", disse o presidente-executivo do grupo, Patrice Louvet.

A crise da saúde atingiu a demanda por bolsas, roupas e acessórios de luxo, à medida que mais clientes evitam gastos não essenciais, forçando muitas empresas a desacelerar seus planos de expansão.

A pandemia também freou a maior fusão do setor, com a francesa LVMH <LVMH.PA> tentando desistir de seu acordo de 16 bilhões de dólares para adquirir a Tiffany & Co <TIF.N>.

No Reino Unidos, a Burberry <BRBY.L> e a Harrods também cortaram centenas de empregos.

"Após a reabertura das lojas, a segunda fase de recuperação para os varejistas é examinar seus balanços e como melhorar a lucratividade, e para as empresas de roupas de luxo, isso geralmente significa fechar lojas ou dispensar pessoas", disse Jessica Ramirez, analista de varejo da Jane Hali & Associates.

As vendas online de produtos de luxo, por sua vez, aumentaram e a Ralph Lauren disse que iria investir em plataformas digitais para apoiar as operações de e-commerce e expandir a personalização de produtos.

As demissões podem resultar em economias brutas anuais antes dos impostos de cerca de 180 milhões a 200 milhões de dólares, disse a empresa. Ela espera incorrer em encargos únicos antes dos impostos de cerca de 120 milhões a 160 milhões de dólares no ano fiscal de 2021.

(Reportagem de Uday Sampath em Bengaluru)