Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.230,12
    +95,66 (+0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.046,58
    +616,83 (+1,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,32
    +2,69 (+3,22%)
     
  • OURO

    1.734,30
    +32,30 (+1,90%)
     
  • BTC-USD

    20.355,28
    +776,77 (+3,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    460,91
    +15,47 (+3,47%)
     
  • S&P500

    3.790,93
    +112,50 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    30.316,32
    +825,43 (+2,80%)
     
  • FTSE

    7.086,46
    +177,70 (+2,57%)
     
  • HANG SENG

    17.079,51
    -143,32 (-0,83%)
     
  • NIKKEI

    26.992,21
    +776,42 (+2,96%)
     
  • NASDAQ

    11.644,75
    +359,00 (+3,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1720
    +0,0981 (+1,93%)
     

Rainha Elizabeth II é homenageada em 18 novas criptomoedas

A morte da rainha da Inglaterra, Elizabeth II, é certamente um dos fatos relevantes de 2022 e teve impacto em diversas áreas, incluindo o mercado de criptomoedas. Desde o falecimento da monarca, na última quinta-feira (8), foram criadas pelo menos 18 novas moedas com nomes em homenagem à ela, como a God Save the Queen (em português, Deus Salve a Rainha).

A ligação entre criptomoedas e a monarquia britânica, porém, não se deu apenas como uma tentativa de empresas de blockchain de aproveitar o “hype” da morte da rainha. Elizabeth II teria se tornado uma entusiasta da tecnologia após receber um informe sobre criptomoedas escrito pela Associação Britânica de Blockchain.

Em uma carta enviada ao editor-chefe do Jornal da Associação Britânica de Blockchain dizia que a monarca havia se interessado pela tecnologia. A publicação enviada à rainha falava sobre aspectos técnicos, sociais e econômicos da adoção do blockchain em diferentes contextos da economia mundial.

Investimento em moedas de hype não é seguro

Acontecimentos de comoção mundial, como foi o falecimento de Elizabeth II, costumam ser usados para a criação de criptomoedas. Por se tratar de um mercado bastante volátil, episódios importantes e que entram no “hype” são bastante usados para buscar uma valorização rápida. Porém, não é incomum que esse tipo de investimento seja inseguro.

Em 2021, a série coreana da Netflix “The Squid Game” (em português, Round 6) foi um dos maiores sucessos de público e crítica do ano passado. O programa também gerou a atenção de desenvolvedores ligados ao blockchain. Porém, se tratava de um golpe, em que os criadores abandonaram o projeto e o valor caiu para zero em poucos minutos.

Esse tipo de golpe é uma das modalidades do chamado “crypto-hacking”, que só no primeiro trimestre de 2022, registrou 78 grandes ações, que geraram um prejuízo de nada menos do que US$ 1,3 bilhão (cerca de R$ 7 bilhões). Portanto, não é seguro investir em criptomoedas que usem fatos do cotidiano para se valorizar,e é preferível sempre buscar ativos mais estáveis e estabelecidos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: