Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.667,78
    +440,32 (+0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.151,38
    -116,95 (-0,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,56
    +0,34 (+0,54%)
     
  • OURO

    1.802,70
    +4,80 (+0,27%)
     
  • BTC-USD

    49.896,79
    +1.173,53 (+2,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    979,60
    -35,32 (-3,48%)
     
  • S&P500

    3.925,43
    +44,06 (+1,14%)
     
  • DOW JONES

    31.961,86
    +424,51 (+1,35%)
     
  • FTSE

    6.658,97
    +33,03 (+0,50%)
     
  • HANG SENG

    29.718,24
    -914,40 (-2,99%)
     
  • NIKKEI

    29.671,70
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    13.327,25
    +25,25 (+0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5793
    -0,0312 (-0,47%)
     

Rabobank eleva projeção para safra de soja 20/21 do Brasil com chuvas favoráveis

Nayara Figueiredo
·1 minuto de leitura

Por Nayara Figueiredo

SÃO PAULO (Reuters) - A colheita brasileira de soja deve alcançar 132,5 milhões de toneladas na safra 2020/21, estimou o banco holandês Rabobank à Reuters, ao elevar sua projeção diante de chuvas favoráveis ao desenvolvimento da cultura em diversas regiões produtoras.

No mês passado, a instituição financeira estimava a safra do maior produtor e exportador da oleaginosa no mundo em 131 milhões de toneladas.

"Houve uma alteração na projeção mais recente do Rabobank para a soja... devido às boas chuvas durante os meses de janeiro e fevereiro nas principais áreas produtoras", disse o banco.

Na mesma linha, a área de plantio da oleaginosa foi revisada ligeiramente e passou de 38,19 milhões de hectares para 38,3 milhões.

Para milho, a perspectiva é que a produção total do Brasil alcance o recorde de 107 milhões de toneladas, em uma área de 19,2 milhões de hectares, cerca de 4,3% acima da semeadura vista no ciclo anterior --em linha com projeção divulgada pelo banco no fim de 2020.

Em novembro, o Rabobank disse que a China deverá importar pela primeira vez 100 milhões de toneladas de soja em um ano-safra, na medida em que amplia compras para recompor seu plantel de suínos afetado por uma doença fatal para porcos, adicionando mais um fator altista para o grão.

Quanto ao milho, a instituição acredita em aumento na área do Brasil independentemente de eventuais dificuldades para se plantar a segunda safra, em meio ao atraso da colheita de soja, considerando que os preços do cereal também atingiram níveis recordes no país.

(Por Nayara Figueiredo)