Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    48.541,82
    -1.584,47 (-3,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Raúl Castro deixa o cenário político, mas seu legado ainda está por ser escrito

Sarah Marsh
·2 minuto de leitura
Foto de arquivo de Raúl Castro

Por Sarah Marsh

HAVANA (Reuters) - Raúl Castro, que está se aposentando de um alto cargo público, trabalhou a maior parte de sua vida à sombra de seu irmão mais velho, Fidel. No entanto, ele jogou um papel fundamental na revolução de esquerda cubana em 1959, preservando o socialismo na ilha.

Embora Fidel tenha sido um líder carismático que reuniu os cubanos para defender a revolução e desafiar os Estados Unidos, Raúl, de 89 anos, transformou o exército em uma força de combate exemplar que eliminou os inimigos do país, inclusive de uma invasão armada apoiada pelos EUA da Baía de Porcos em 1961.

Mais tarde, após a queda da União Soviética, que levou Cuba a despencar economicamente e a ficar politicamente isolada, reorientou o caminho para as reformas de mercado em uma economia centralizada e buscou normalizar as relações com as potências ocidentais.

Mas ele deixa o cargo em meio a uma crise econômica, que tem causado escassez até mesmo de bens básicos e ameaça a universalidade de acesso aos serviços de saúde e educação gratuita, considerados uma das conquistas mais importantes da revolução.

O ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump desfez uma distensão lançada por Castro e o democrata Barack Obama e reforçou o embargo comercial de mais de seis décadas.

No entanto, cerca de 30 anos após o fim da Guerra Fria, Cuba continua sendo um dos últimos países do mundo liderados por comunistas.

"Sempre preferindo o papel de apoio ao irmão desempenhado brilhantemente, Raúl teve que assumir a liderança de Fidel em um momento em que a revolução dava sinais de vacilar", disse Hal Klepak, um historiador canadense baseado em Havana, que escreveu dois livros sobre o exército cubano.

"Que ele ainda esteja, em face de forças enormemente poderosas tentando destruí-lo, é em grande parte o resultado de sua liderança", disse ele.

Sua aposentadoria do cargo poderoso de primeiro secretário do Partido Comunista, que deve ser oficializada na segunda-feira, encerrará seis décadas de governo dos irmãos Castro.

Em um discurso na sexta-feira, falando a membros do Partido Comunista, ele disse que permanecerá como um soldado da revolução "até o fim da vida".

Analistas argumentam que seu legado, como reformador de sucesso ou encarregado de um experimento socialista, dependerá das medidas e da longevidade de seus sucessores.

"Apesar de sua reputação como o Castro pragmático, ele fez pouco mais do que administrar com sucesso a transição para a liderança de segundo escalão", disse Sebastián Arcos, diretor associado do Instituto de Pesquisa Cubana da Universidade Internacional da Flórida, cujos pai e tio eram dissidentes.