Mercado abrirá em 1 h 57 min
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.126,51
    +442,96 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,00
    +0,23 (+0,44%)
     
  • OURO

    1.852,20
    -3,00 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    31.900,02
    -468,27 (-1,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    643,78
    -3,54 (-0,55%)
     
  • S&P500

    3.855,36
    +13,89 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    30.960,00
    -36,98 (-0,12%)
     
  • FTSE

    6.684,66
    +45,81 (+0,69%)
     
  • HANG SENG

    29.391,26
    -767,75 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.546,18
    -276,11 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.428,00
    -47,50 (-0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6920
    +0,0558 (+0,84%)
     

Rússia vê aumento de 5 a 6 milhões de bpd na demanda por petróleo em 2021

·1 minuto de leitura

MOSCOU (Reuters) - O vice-primeiro ministro da Rússia, Alexander Novak, disse nesta segunda-feira esperar uma demanda adicional por petróleo no próximo ano de 5 milhões a 6 milhões de barris por dia (bpd), com o consumo ainda não se recuperando totalmente da pandemia de coronavírus.

"Nós esperamos ao redor de 5 a 6 milhões de barris por dia em crescimento adicional da demanda no próximo ano. Esse é um cenário otimista", disse Novak ao canal russo de televisão Rossiya-24.

Ele afirmou que a demanda global por petróleo ainda está até 8 milhões de bpd abaixo dos níveis pré-pandemia, quando ela normalmente ficava ao redor de 100 milhões de bpd.

A Rússia e outros importantes produtores de petróleo, incluindo membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), têm cortado produção para estabilizar o mercado global, afetado pela pandemia e seus impactos sobre o crescimento.

O grupo de produtores, conhecido como Opep+, começou a aumentar a produção conforme a demanda se recupera. O grupo deve elevar o bombeamento conjuntamente em 500 mil bpd a partir de 1° de janeiro.

O acordo da Opep+ vai até abril de 2022. Novak disse que a duração do pacto pode ser ajustada caso a demanda global por petróleo se recupere mais rapidamente que o previsto.

"Mas, em geral, nós continuaremos esse trabalho conjunto com parceiros de diferentes países, uma vez que acreditamos que isso traz benefícios para nossos países", afirmou ele.

(Por Vladimir Soldatkin e Olesya Astakhova)