Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    49.044,54
    -1.210,34 (-2,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Rússia, Ucrânia e EUA fazem exercícios militares em meio a crise

IGOR GIELOW
·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Protagonistas da crise entre a Otan e a Rússia, forças de Moscou, Kiev e Washington fazem exercícios militares perto da região disputada do Donbass, no leste da Ucrânia. A flexão de músculos bélicos vem em um momento de escalada da tensão na região, que levou o presidente dos EUA, Joe Biden, a requisitar uma reunião de cúpula com Vladimir Putin em um telefonema na terça (13). Fiel a seu estilo, o presidente russo esnobou nesta quarta. "É muito cedo para falar dessa reunião em termos tangíveis. É uma proposta nova e será estudada", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov. Enquanto isso, o próprio Putin conversou nesta quarta com o presidente finlandês, Sauli Niinistö, para discutir a realização do encontro no país, que não integra a aliança militar ocidental. O relato foi feito pelo gabinete de Niinistö. A mais recente cúpula entre Putin e um presidente americano ocorreu exatamente em Helsinque, logo após a final da Copa do Mundo da Rússia, em 2018. O russo vai tentar capitalizar ao máximo seu movimento de concentrar 83 mil soldados na Crimeia e nas regiões próximas da fronteira da Ucrânia nas últimas semanas. O movimento, que o Ministério da Defesa afirma ser para exercícios a serem realizados nas próximas duas semanas, disparou alarmes em Kiev e no Ocidente. Eles foram uma resposta às movimentações militares ucranianas perto das áreas ocupadas por rebeldes pró-Rússia desde 2014, quando Putin anexou a Crimeia e fomentou a guerra civil no país vizinho depois que o governo simpático ao Kremlin foi derrubado em Kiev. Enquanto a movimentação diplomática começa, após duas semanas de acusações mútuas e ameaças, todos os lados se mexem. A Rússia começou nesta quarta a fase de treino de disparos reais de suas forças navais no mar Negro, que banha toda a área em disputa. Sua frota local fica em Sebastopol, principal cidade da Crimeia, numa base que já era arrendada dos ucranianos antes da anexação. O exercício visa intimidar os dois destróieres da classe Arleigh Burke, armados com mísseis de cruzeiro, que devem entrar no mar Negro entre quarta e quinta, vindos do Mediterrâneo por meio dos estreitos da Turquia. Pelas regras da Convenção de Montreaux, de 1936, países que não são banhados pelo mar precisam avisar o envio de navios de guerra para lá aos turcos e só podem ficar por tempo limitado na região, cerca de 20 dias no caso de dois destróieres. O governo russo alertou que eles devem ficar distantes da Ucrânia e da Crimeia, e os exercícios militares são um recado objetivo nesse sentido. Moscou também acusa a Otan de mover 40 mil soldados para áreas próximas da Rússia, algo que a organização negou. Já a Ucrânia conduziu nesta quarta dois exercícios. Num deles, simulou um contra-ataque a uma invasão de tanques russos pela península da Crimeia. No outro, montou uma grande operação antiterrorismo em toda a região de Kharkiv. Essa ação chama a atenção por ser adjacente às fronteiras norte das duas autoproclamadas repúblicas rebeldes da região do Donbass. Controle de movimento em estradas e checagem de pessoal sempre é visto como prenúncio de uma ação maior. Mas isso parece fora do contexto, apesar da pressão interna para que o impopular presidente Volodimir Zelenski tente reconquistar ao menos alguns pontos do Donbass enquanto pede ajuda à Otan. Nesse sentido, a tática de Putin de mostrar os dentes pode se provar válida, ao evitar um confronto pelo risco da escalada de uma guerra com a Otan, e ao mesmo tempo forçar seu intento principal, que é o de implementar acordos de 2015 que mantêm as repúblicas na Ucrânia, mas de forma autônoma. Esse arranjo ocorreu na Geórgia após uma breve guerra em 2008, e manteve o país do Cáucaso longe do ingresso da Otan. Para a Rússia, é inconcebível que a Ucrânia se una à estrutura militar ocidental, já que o país historicamente providenciou profundidade estratégica ante forças invasoras europeias.