Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.584,87
    +55,90 (+0,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,19
    -0,48 (-0,77%)
     
  • OURO

    1.792,50
    +14,10 (+0,79%)
     
  • BTC-USD

    56.220,37
    -64,57 (-0,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.292,98
    +30,02 (+2,38%)
     
  • S&P500

    4.147,89
    +12,95 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    33.996,75
    +175,45 (+0,52%)
     
  • FTSE

    6.908,59
    +48,72 (+0,71%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.787,50
    -6,75 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6919
    -0,0106 (-0,16%)
     

Rússia tem acordos de produção de vacina Sputnik V na França, Alemanha, Espanha e Itália

·1 minuto de leitura
Vacina Sputnik espera autorização da UE

O Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF) anunciou, nesta segunda-feira (15), acordos de produção da vacina anticovid Sputnik V "com companhias de Itália, Espanha, França e Alemanha", à espera de sua homologação na União Europeia (UE).

"Atualmente, há outras conversas em curso para aumentar a produção na UE. Isso permitirá começar a abastecer o mercado único europeu com a Sputnik V, assim que a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) aprovar", afirmou o presidente do Fundo, Kirill Dmitriev, em um comunicado.

O responsável pelo RDIF, que financia o desenvolvimento desta vacina, não indicou o nome dos grupos europeus, com os quais os acordos foram fechados.

Em 9 de março, anunciou-se um primeiro acordo de produção na Itália com a farmacêutica ítalo-suíça Adienne, que deve produzir a vacina na Lombardia (norte).

Embora ainda não tenha sido autorizado na UE, o imunizante russo superou uma etapa com o início de seu exame por parte da EMA. As autoridades russas disseram estar prontas para entregar 50 milhões de doses aos europeus a partir de junho próximo.

Segundo Dmitriev, a Rússia também está preparada para "iniciar o fornecimento da Sputnik V para os países da UE que assim autorizarem, independentemente da EMA", como a Hungria.

Acolhida com ceticismo no exterior em um primeiro momento, a Sputnik V convenceu vários países, e a revista científica The Lancet validou sua confiabilidade em fevereiro deste ano.

A Rússia acusa os países ocidentais, com frequência, de fazerem campanha contra a Sputnik V, ao insinuarem que Moscou lançou uma diplomacia da vacina para semear a discórdia na Europa.

A UE enfrenta dificuldades de abastecimento das vacinas anticovid desenvolvidas por grupos farmacêuticos ocidentais.

alf/pop/pz/tjc/zm/tt