Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,69 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,11 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,82
    +1,56 (+2,35%)
     
  • OURO

    1.784,90
    +1,00 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    48.575,89
    -351,81 (-0,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.248,88
    -192,88 (-13,38%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,72 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    27.832,12
    -197,45 (-0,70%)
     
  • NASDAQ

    15.723,00
    +5,25 (+0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3812
    -0,0141 (-0,22%)
     

Rússia sinaliza que Europa não terá gás extra sem Nord Stream 2

·3 min de leitura

(Bloomberg) -- A Rússia sinalizou que vai não mudar seu planejamento para oferecer gás extra aos consumidores europeus e aliviar a crise de energia, a menos que receba algo em troca: a aprovação regulatória para iniciar as exportações através do polêmico gasoduto Nord Stream 2.

Most Read from Bloomberg

Em troca de aumentar o abastecimento, a Rússia quer obter a aprovação da Alemanha e da União Europeia para começar a usar o gasoduto para a Europa, de acordo com pessoas próximas à gigante estatal de gás Gazprom e do Kremlin.

“Não podemos ir ao resgate apenas para compensar erros que não cometemos”, disse em entrevista Konstantin Kosachyov, um parlamentar pró-Kremlin da Câmara Alta, sem especificar o que a Rússia quer. “Estamos cumprindo todos os nossos contratos, todas as nossas obrigações. Tudo além disso deve ser assunto para acordos adicionais voluntários e mutuamente benéficos.”

Para destacar a mensagem, a operadora do gasoduto disse na segunda-feira que sua primeira linha está completa com o chamado gás técnico e pronta para entrar em operação, embora não possa enviar o produto até que a aprovação regulamentar seja concedida. O anúncio veio horas depois de os preços do gás dispararem com a notícia de que a Gazprom havia novamente licitado apenas um pequeno volume de capacidade para enviar o combustível para a Europa através de outras rotas.

Como o aumento dos custos do combustível causa um caos econômico cada vez maior, cresce a pressão sobre a Rússia, maior fornecedora da Europa, para bombear mais. Os volumes extras de gás russo são vistos como a melhor maneira para evitar uma crise de abastecimento ainda maior no inverno.

Mas, com as relações com a Europa congeladas após anos de sanções e outros confrontos, não há disposição do Kremlin para fazer favores. Embora as exportações para a Europa tenham aumentado este ano em relação aos fracos níveis de 2020, estão abaixo dos volumes observados em 2019, de acordo com o Oxford Institute for Energy Studies. Os fluxos diários caíram em outubro, e a Gazprom demorou para reabastecer as instalações de armazenamento controladas pela empresa na Europa, aumentando a pressão sobre os preços. A Rússia culpou a migração apressada para mercados à vista e fontes alternativas de energia durante a crise.

Em conferência de energia em Moscou na semana passada, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, pareceu sugerir que o país poderia oferecer mais gás. Mas ele também lamentou o lento avanço na obtenção da aprovação para o Nord Stream 2, um processo que pode durar até o ano que vem. Reguladores alemães atualmente revisam o pedido de certificação, mas disseram que a decisão inicial talvez saia apenas em janeiro, após a qual a Comissão Europeia também teria de dar sinal verde.

“Se pudéssemos aumentar as entregas por essa rota, isso aliviaria substancialmente a tensão no mercado europeu de energia”, disse Putin. “No entanto, não pudemos fazer isso até agora por causa das barreiras administrativas.”

Um de seus projetos de maior prioridade, o gasoduto atraiu críticas e sanções dos Estados Unidos, bem como esforços da Polônia e da Ucrânia para impedir sua conclusão. Autoridades russas negaram por meses acusações de que estavam deliberadamente segurando a oferta de gás à Europa para pressionar pela aprovação do Nord Stream 2.

Depois de anos de tensões com a Europa, autoridades russas provavelmente não concordarão em aumentar o fornecimento de gás sem garantias firmes de que o novo gasoduto poderá operar, disseram pessoas próximas à situação. Volumes adicionais evitariam as rotas tradicionais pela Ucrânia, segundo as fontes.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos