Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.371,48
    -690,52 (-0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.092,31
    +224,69 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,75
    +0,32 (+0,52%)
     
  • OURO

    1.787,90
    +5,90 (+0,33%)
     
  • BTC-USD

    49.422,50
    -5.003,35 (-9,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.110,88
    -132,17 (-10,63%)
     
  • S&P500

    4.134,98
    -38,44 (-0,92%)
     
  • DOW JONES

    33.815,90
    -321,41 (-0,94%)
     
  • FTSE

    6.938,24
    +42,95 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    28.991,65
    +236,31 (+0,82%)
     
  • NIKKEI

    28.966,26
    -221,91 (-0,76%)
     
  • NASDAQ

    13.767,00
    +16,75 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5450
    +0,0034 (+0,05%)
     

Rússia quer vacinar quase 1 em 10 pessoas no planeta este ano

Henry Meyer
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A Rússia quer aumentar a produção no exterior de sua vacina contra a Covid-19 com a promessa de fornecer imunizantes para quase uma em cada dez pessoas no planeta este ano, embora tenha produzido apenas uma pequena fração disso até o momento.

“Temos capacidade para fornecer a vacina a 700 milhões de pessoas fora da Rússia este ano”, disse Kirill Dmitriev, diretor-presidente do Fundo de Investimento Direto Russo (RDIF, na sigla em inglês), que apoiou o desenvolvimento da Sputnik V e supervisiona a distribuição internacional. “Os maiores produtores serão Índia, China e Coreia do Sul”, disse em entrevista na quarta-feira.

O sucesso da Rússia em persuadir até agora cerca de 50 países a aprovar a vacina reforçou suas ambições globais, com vários milhões de doses já entregues à América Latina, principalmente para a Argentina e México.

Mas a produção tem sido mais lenta do que o previsto inicialmente pelo RDIF, e na Rússia o uso do imunizante ainda não decolou. Dmitriev não comenta os atuais níveis de produção das principais produtoras estrangeiras, a não ser que são “significativos”.

No momento, os EUA aplicam mais doses a cada duas semanas do que a Rússia produziu da Sputnik V desde o início da epidemia.

Até o momento, as entregas internacionais permanecem relativamente pequenas, já que a Rússia corre para aumentar a produção. Na Rússia, cerca de 13 milhões de imunizantes de duas doses foram produzidos, disse a vice-primeira-ministra Tatyana Golikova na semana passada. O RDIF não divulga dados sobre quantas doses foram enviadas ao exterior, e o Kremlin diz que as exportações não têm reduzido a oferta doméstica. Comunicados dos países destinatários estimam o total em menos de 4 milhões.

A Sputnik está sendo usada em cerca de 30 países, de acordo com o RDIF, em comparação com pelo menos 64 da vacina da Pfizer, da qual 95 milhões de doses já foram administradas globalmente.

Apesar da estratégia política, a Rússia não está oferecendo a Sputnik com desconto para países de baixa renda. Na África e na América Latina, a Sputnik é vendida pelo mesmo preço, de cerca de US$ 10 por dose, que no resto do mundo.

No início da semana, a Rússia avançou planos para a fabricação da Sputnik na União Europeia. O RDIF anunciou um acordo para produzir a vacina na Itália e conversa com França e Alemanha. O bloco de 27 países atualmente examina um pedido para aprovar o uso da Sputnik.

Ao todo, o RDIF tem acordos de produção em 10 países, disse Dmitriev.

Até agora, a Rússia imunizou 5 milhões de pessoas, ou cerca de 5 vacinas por 100 adultos, em comparação com 36 no Reino Unido, quase 29 nos EUA e quase 10 na UE, de acordo com o rastreador de vacinas da Bloomberg. Levaria até 2022 para vacinar 70% da população russa se a taxa atual continuar. Autoridades esperam chegar perto dessa meta até agosto deste ano.

A Rússia conta com um “crescimento exponencial” da produção nacional para acelerar a vacinação no país disse Dmitriev. Segundo o executivo, até o final de junho, entre 40 milhões e 50 milhões de pessoas, todos aqueles que desejam se vacinar, poderiam ter acesso ao imunizante, sem explicar o que causaria o aumento da demanda.

Por enquanto a distribuição foi prejudicada pela escassez em algumas regiões e pela relutância dos russos em tomar a vacina, embora seja oferecida gratuitamente, de acordo com pesquisas de opinião.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.