Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.101,99
    +1.088,52 (+1,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.508,35
    -314,88 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,29
    -0,67 (-0,77%)
     
  • OURO

    1.839,80
    -3,40 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    41.377,64
    -529,31 (-1,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    992,43
    -2,83 (-0,28%)
     
  • S&P500

    4.482,73
    -50,03 (-1,10%)
     
  • DOW JONES

    34.715,39
    -313,26 (-0,89%)
     
  • FTSE

    7.585,01
    -4,65 (-0,06%)
     
  • HANG SENG

    24.952,35
    +824,50 (+3,42%)
     
  • NIKKEI

    27.772,93
    +305,70 (+1,11%)
     
  • NASDAQ

    14.725,75
    -307,75 (-2,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1299
    -0,0375 (-0,61%)
     

Rússia quer sistema de tributação de carbono reconhecido pela UE

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- A Rússia quer se assegurar de que o sistema de tributação de carbono em desenvolvimento no país seja reconhecido pela União Europeia e por outros grandes parceiros comerciais, de acordo com o vice-ministro das Finanças, Alexei Sazanov.

Most Read from Bloomberg

“O Ministério das Finanças vê que desenvolver um sistema de negociação de cotas de carbono seria a melhor opção”, disse em entrevista. “Não precisamos começar do zero. As práticas já foram desenvolvidas globalmente, por exemplo, na Europa e na China, que podem servir como base.”

Certificar-se de que quaisquer cotas que a Rússia venha a adotar sejam aceitas internacionalmente é vital, uma vez que o sistema permitiria que empresas russas solicitassem crédito por elas sob a taxa de fronteira planejada pela UE. Estimativas apontam que o custo disso para a Rússia seja de até US$ 3,4 bilhões por ano a partir de 2026.

A introdução da regulamentação do carbono também seria necessária se a Rússia quiser impor a própria taxa de fronteira, afirmou.

O presidente russo, Vladimir Putin, acelerou medidas para combater a mudança climática este ano ao ordenar que o governo elabore uma estratégia e assine uma lei que cria um marco para projetos verdes e a negociação de créditos de carbono. Putin também definiu 2060 como o prazo para zerar as emissões líquidas.

“Nosso nível de renda per capita é objetivamente menor do que nas economias desenvolvidas. Não podemos arcar com o mesmo custo por unidade de emissões, por exemplo, da União Europeia”, disse Sazanov. Essa é a razão pela qual a UE tem 2050 como meta para a neutralidade de carbono, enquanto a Rússia não pode alcançá-la tão cedo, acrescentou.

Um sistema de cotas negociadas é ideal porque regula as emissões e cria incentivos econômicos de longo prazo para as empresas, embora a Rússia não esteja considerando incentivos fiscais para estimular a transição verde, disse Sazanov.

Ele disse que ainda não há um prazo para o governo aprovar o novo mecanismo.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos