Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.442,90
    -40,80 (-0,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Rússia quer retomar à força o controle de telescópio em órbita da Terra

A agência espacial russa (Roscosmos) está tentando tomar o controle de um telescópio em órbita da Terra. Batizado de eROSITA, ele foi construído pelo Instituto Max Planck de Física Extraterrestre, sediado na Alemanha, e lançado em 2019 como parte do observatório Spektr-RG, em parceria com a agência espacial alemã (DLR).

O Spektr-RG contém dois telescópios: além do eROSITA há o ART-XC, um telescópio russo para observações de raios-X de alta energia. Mas desde que a Rússia invadiu a Ucrânia, a Alemanha suspendeu a cooperação com a Roscomos e a decisão forçou o eROSITA a entrar em modo de segurança em 26 de fevereiro.

O eROSITA é responsável por mapear objetos como buracos negros e estrelas de nêutron pelo universo (Imagem: Reprodução/J. Sanders/H. Brunner/A. Merloni/E. Churazov/M. Gilfanov)
O eROSITA é responsável por mapear objetos como buracos negros e estrelas de nêutron pelo universo (Imagem: Reprodução/J. Sanders/H. Brunner/A. Merloni/E. Churazov/M. Gilfanov)

Agora, o diretor da Roscomos, Dmitry Rogozin, pretende recuperar o controle do telescópio. Em uma recente entrevista à TV estatal russa, conforme relatado pelo portal alemão Deutsche Welle, Rogozin disse ter dados instruções para que as atividades do Spektr-RG fossem retomadas.

O diretor da Roscomos acrescentou que: "apesar da exigência da Alemanha de fechar um dos dois telescópios, especialistas russos insistem em continuar seu trabalho". Por outro lado, as autoridades alemãs alertam sobre o perigo de reativar o eROSITA sem a participação do instituto.

O diretor do Instituto Max Planck, Rashid Sunyaev, disse que se o instrumento alemão for reativado sem permissão, corre o risco de ser permanentemente danificado. Ainda assim, Rogozin parece empenhando em reativar o telescópio, localizado a quase 1 milhão de km de distância da Terra

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos