Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,38 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,17 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,53
    -0,18 (-0,39%)
     
  • OURO

    1.781,90
    -23,60 (-1,31%)
     
  • BTC-USD

    17.072,62
    +347,82 (+2,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,90 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,23 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,40 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.257,50
    +105,25 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3746
    +0,0347 (+0,55%)
     

Rússia prorroga o embargo de alimentos provenientes do Ocidente

·1 minuto de leitura
O presidente russo Vladimir Putin na residência oficial de Novo-Ogaryovo, em 13 de novembro de 2020
O presidente russo Vladimir Putin na residência oficial de Novo-Ogaryovo, em 13 de novembro de 2020

O presidente russo Vladimir Putin prorrogou neste sábado (21) até o final de 2021 o embargo sobre os produtos alimentícios ocidentais, introduzido em 2014 em represália pelas sanções decretadas pelos americanos e europeus contra Moscou por seu papel na crise ucraniana.

O decreto, assinado neste sábado por Putin, prorroga até 31 de dezembro de 2021 a proibição de importar à Rússia produtos alimentícios procedentes principalmente da União Europeia.

Essas medidas, adotadas em agosto de 2014, se aplicam à maioria dos produtos alimentícios vindos dos países que sancionam a Rússia pela anexação da península ucraniana da Crimeia, em março do mesmo ano, e seu apoio aos separatistas do leste da Ucrânia.

Desde então, o embargo foi prorrogado em cinco ocasiões, em resposta à prorrogação das sanções econômicas europeias.

No final de junho, a União Europeia decidiu prorrogar por seis meses suas sanções econômicas contra a Rússia devido ao conflito no leste da Ucrânia. A UE não reconhece a anexação da Crimeia por parte da Rússia em 2014, que chama de "violação do Direito internacional".

As sanções ocidentais que afetam todos os setores da economia russa, junto com a queda dos preços dos hidrocarbonetos, mergulharam a Rússia em sua recessão mais prolongada desde a chegada de Vladimir Putin ao Kremlin, em 2000.

O país está se recuperando gradualmente e as autoridades afirmam que o embargo favorece o desenvolvimento do setor agrícola russo, ao qual concedem importantes subvenções.

mp/lb/mab/eg/aa