Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    48.696,64
    -2.148,68 (-4,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Rússia ordena volta de tropas à base após movimentação na fronteira com a Ucrânia

Tom Balmforth e Matthias Williams
·1 minuto de leitura
Presidente da Rússia, Vladimir Putin

Por Tom Balmforth e Matthias Williams

MOSCOU/KIEV (Reuters) - A Rússia anunciou nesta quinta-feira que ordenou a volta de suas tropas de uma região próxima à fronteira com a Ucrânia, encerrando aparentemente uma movimentação de dezenas de milhares de soldados que havia assustado países do Ocidente.

As moedas russa e ucraniana tiveram altas expressivas depois do anúncio, indicando o alívio entre investidores apenas horas após a Rússia também encerrar seus jogos de guerra na Crimeia, a península que foi ocupada e anexada da Ucrânia em 2014.

A confirmação da retirada das tropas e a soma delas ao contingente permanente será provavelmente bem recebida pelos países do Ocidente que estavam alarmados com a perspectiva de mais uma intervenção russa no leste da Ucrânia. Separatistas apoiados pela Rússia tem combatido o governo ucraniano na região desde 2014.

A porta-voz do presidente ucraniano afirmou neste mês que a Rússia tinha mais de 40 mil homens lotados na fronteira leste da Ucrânia e outros 40 mil na Crimeia. Cerca de 50 mil deles havia sido destacado recentemente, disse. Moscou não divulgou números de tropas na região.

Em uma publicação no Twitter, o presidente Volodymir Zelenskiy disse que a Ucrânia "vê com bons olhos quaisquer passos para diminuir a presença militar e inverter a escalada em Donbas (leste da Ucrânia), acrescentando: "Grato aos parceiros internacionais pelo apoio".

O ministro das Relações Exteriores, Dmytro Kuleba, havia dito à Reuters que Kiev não sabia se Moscou tinha a intenção de lançar um ataque ou não, e afirmou que o Ocidente deveria deixar claro que está ao lado da Ucrânia se a Rússia o fizesse.