Mercado abrirá em 5 h 50 min
  • BOVESPA

    113.031,98
    +267,72 (+0,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.638,36
    -215,01 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,62
    -0,79 (-0,88%)
     
  • OURO

    1.795,10
    -3,00 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    24.011,67
    -202,78 (-0,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    569,23
    -21,53 (-3,64%)
     
  • S&P500

    4.297,14
    +16,99 (+0,40%)
     
  • DOW JONES

    33.912,44
    +151,39 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.509,15
    0,00 (0,00%)
     
  • HANG SENG

    19.809,74
    -231,12 (-1,15%)
     
  • NIKKEI

    28.868,91
    -2,87 (-0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.644,50
    -36,75 (-0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1758
    -0,0027 (-0,05%)
     

Rússia multa Google em US$370 mi por repetidas violações de conteúdo

Logotipo do regulador russo Roskomnadzor sobre página do Google

MOSCOU (Reuters) - Um tribunal na Rússia multou o Google, da Alphabet, em 21,1 bilhões de rublos (373 milhões de dólares) nesta segunda-feira por repetidas falhas na remoção de conteúdo considerado ilegal pelo governo local, disse o regulador de comunicações russo Roskomnadzor.

A Rússia se opõe à distribuição de conteúdo de plataformas de tecnologia estrangeiras que violam suas restrições. E o que era uma disputa efervescente explodiu em uma batalha judicial desde que Moscou reuniu suas forças armadas antes de enviá-las para a Ucrânia em fevereiro.

O Google, que pode recorrer da decisão, não respondeu imediatamente a um pedido de comentário enviado por e-mail.

No final do ano passado, o Google foi multado em 7,2 bilhões de rublos por não remover ou bloquear conteúdo.

Outra medida recente foi o confisco da conta bancária da unidade russa do Google, levando a subsidiária a pedir proteção contra falência e impossibilitando o pagamento de funcionários e fornecedores.

O Roskomnadzor disse em junho que o YouTube, também da Alphabet, estava deliberadamente espalhando informações falsas sobre o conflito na Ucrânia e havia permitido conteúdo que promova visões extremistas e apelos para que crianças participem de protestos não autorizados.

"O site de hospedagem de vídeos YouTube promove deliberadamente a disseminação de informações enganosas sobre o progresso da operação militar especial na Ucrânia, desacreditando as forças armadas da Federação Russa", disse o Roskomnadzor.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos