Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,10 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,43 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -0,70 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    59.888,97
    +84,84 (+0,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,35 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,00 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,30 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,06 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    -18,50 (-0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Rússia lança foguete Soyuz com 38 satélites estrangeiros

·1 minuto de leitura
Um foguete Soyuz com 38 satélites estrangeiros a bordo decola do Cosmódromo de Baikonur em 22 de março de 2021, no Cazaquistão.

A Rússia colocou em órbita nesta segunda-feira (22) 38 satélites estrangeiros lançados em um foguete Soyuz do cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão, após dois adiamentos por problemas técnicos.

A nave Soyuz-2.1a decolou às 6H07 GMT (3H07 de Brasília), de acordo com as imagens exibidas ao vivo pela agência espacial russa Roskosmos.

Pouco depois, o foguete colocou em órbita 38 satélites procedentes de 18 países, entre eles Brasil, Coreia do Sul, Japão, Canadá, Arábia Saudita, Alemanha e Itália.

Os satélites, que servirão principalmente para observação e pesquisa, bem como para telecomunicações, foram colocados em três órbitas diferentes, disse Roskosmos em um comunicado.

"Uma hora e três minutos após o lançamento, a carga útil principal - o satélite de sensoriamento remoto CAS500-1 da Coreia do Sul - foi separada. Atualmente (...) todas as fases foram concluídas com sucesso do programa de colocação de 37 artefatos espaciais restantes nas órbitas previstas", informou a agência espacial russa.

O lançamento estava previsto para sábado, e depois domingo, mas só aconteceu nesta segunda-feira.

O diretor da agência espacial russa, Dmitri Rogozin, afirmou que o primeiro adiamento foi provocado por um "pico de tensão" na rede detectado antes do lançamento.

O segundo foi motivado por uma "falha técnica", de acordo com a Roskosmos.

pop/pz/es/mis/fp