Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.812,87
    +105,11 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.729,80
    -4,24 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,38
    -0,12 (-0,13%)
     
  • OURO

    1.772,20
    +1,00 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    23.377,16
    +67,09 (+0,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    558,74
    +1,01 (+0,18%)
     
  • S&P500

    4.283,74
    +9,70 (+0,23%)
     
  • DOW JONES

    33.999,04
    +18,72 (+0,06%)
     
  • FTSE

    7.541,85
    +26,10 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    19.763,91
    -158,54 (-0,80%)
     
  • NIKKEI

    28.942,14
    -280,63 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.540,00
    +46,75 (+0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2347
    -0,0245 (-0,47%)
     

Rússia esclarece planos para abandonar a ISS após 2024

Yuri Borisov, o novo diretor da agência espacial russa Roscosmos, fez novos comentários sobre a separação da Rússia da Estação Espacial Internacional (ISS). Em uma entrevista publicada com a mídia estatal Russia-24, ele destacou que o país anunciou a intenção de deixar o complexo orbital não em 2024, mas sim após aquele ano.

Segundo ele, os parceiros da Rússia no programa devem ser avisados com um ano de antecedência sobre as decisões do país. “Ainda não alertamos a NASA sobre isso, não há necessidade; apenas dissemos que, após 2024, vamos iniciar o processo de saída [da estação]”, explicou. Borisov observou também que a saída da Rússia deverá durar até dois anos.

Os comentários de Borisov não surpreendem, já que a Rússia vem sinalizando há tempos a intenção de deixar o complexo orbital. Mais recentemente, os oficiais do país apontaram que a Roscosmos deverá manter a parceria na estação por mais algum tempo — provavelmente até o fim de 2028, até finalizar sua própria estação espacial.

Esquema da futura estação espacial russa (Imagem: Reprodução/Roscosmos)
Esquema da futura estação espacial russa (Imagem: Reprodução/Roscosmos)

Borisov notou que há uma série de especialistas prevendo a possibilidade de um efeito dominó de falhas nos sistemas da estação após 2024. “O tempo que nossos cosmonautas e os astronautas norte-americanos passam procurando por possíveis falhas e eliminando-as começa a exceder qualquer limite razoável, e isso é feito aos custos de pesquisas científicas”, observou.

Como grande parte dos módulos dos Estados Unidos são mais novos que a maioria daqueles na seção russa, ele considera que as instalações da Rússia não têm grandes contribuições científicas úteis a fazer. “Do ponto de vista científico, não vemos mais dividendos adicionais ao estender este processo até 2030, e os fundos que vamos investir mantendo a parte russa e nossa participação são enormes”, finalizou.

Recentemente o congresso dos EUA aprovou uma autorização que dá a NASA recursos para continuar operando a ISS até 2030. Enquanto isso, a agência espacial dos Estados Unidos tem planos para desenvolver estações espaciais comerciais com empresas privadas. Contudo, caso a Rússia realmente deixe a ISS no ano planejado, a NASA poderá ter problemas para manter a estação pelo período planejado.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos