Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    61.901,54
    -1.585,98 (-2,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Rússia eleva juros a 4,5% em meio a riscos inflacionários e geopolíticos

·2 minuto de leitura
BC da Rússia

MOSCOU (Reuters) - O banco central da Rússia elevou sua taxa básica de juros a 4,5% nesta sexta-feira em meio a riscos inflacionários e geopolíticos, e sinalizou que mais altas podem acontecer.

A decisão de elevar os juros da mínima recorde de 4,25% foi contra as expectativas em pesquisa da Reuters de que o banco central deixaria inalterado o custo dos empréstimos pela última vez antes de entrar em um ciclo de alta.

"O balanço de riscos mudou para inflacionário...O Banco da Rússia mantém aberta a perspectiva de mais aumentos na taxa básica em suas próximas reuniões", disse o banco central em comunicado.

A medida do banco central acontece após recente depreciação do rublo devido a temores de sanções. Ela está em linha com seus pares no Brasil e Turquia, que fizeram altas agressivas nos juros esta semana.

A moeda russa caiu esta semana depois que o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse que o mandatário russo, Vladimir Putin, "pagará um preço" pelos esforços em interferir na eleição presidencial de 2020, algo que o Kremlin nega.

"Riscos pró-inflacionários no curto prazo também estão conectados com uma volatilidade mais forte nos mercados globais, devido a vários acontecimentos geopolíticos, entre outros fatores, o que pode ter um efeito sobre a taxa de câmbio e as expectativas de inflação", disse o banco central.

O banco central disse que a inflação, sua principal responsabilidade, retornará à meta de 4% apenas na primeira metade de 2022, mais tarde do que o esperado anteriormente.

A inflação anual estava em 5,8% em 15 de março, mas deve desacelerar em breve, disse o banco.

O banco central havia cortado os juros em 2020, com o último corte em julho, conforme a economia sofria o impacto da queda nos preços do petróleo, principal exportação da Rússia. A pandemia de coronavírus também afetou a economia, que deve se recuperar este ano.

(Reportagem de Andrey Ostroukh, Gabrielle Tétrault-Farber, Elena Fabrichnaya, Alexander Marrow, Maria Kiselyova, Katya Golubkova)