Rússia diz que repeliu ataques ucranianos, Kiev afirma que precisa de mais tempo

Será que a contra-ofensiva ucraniana já começou? A incerteza prevalece perante as informações contraditórias que vão surgindo tanto por parte de Moscovo como Kiev.

Numa entrevista concedida à emissora estatal britânica, BBC, na quinta-feira, o Presidente Volodymyr Zelensky anunciou que ainda não havia chegado a altura de contra-atacar pois precisava de tempo e de armas.

Por seu lado, o exército russo afirmou ter repelido 26 ataques de forças ucranianas na quinta-feira, numa frente de batalha de 95 quilómetros no sector de Soledar.

Relativamente à batalha de Bakhmut, a Ucrânia anunciou esta sexta-feira que havia retomado os territórios em torno desta cidade. O chefe do grupo Wagner parece confirmar a informação, dizendo que as tropas regulares russas estavam a fugir, levando ao colapso das defesas.

Neste contexto de grande incerteza, o presidente ucraniano é esperado sábado em Roma para se encontrar com dirigentes italianos e, presumivelmente, com o Papa Francisco.

A China anunciou que enviará um alto representante a Kiev na segunda-feira, que fará um périplo pela Europa antes de se deslocar a Moscovo.