Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.941,68
    +51,80 (+0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.463,55
    +320,55 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    115,07
    +0,98 (+0,86%)
     
  • OURO

    1.857,30
    +3,40 (+0,18%)
     
  • BTC-USD

    28.874,12
    +450,33 (+1,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    625,79
    -3,71 (-0,59%)
     
  • S&P500

    4.158,24
    +100,40 (+2,47%)
     
  • DOW JONES

    33.212,96
    +575,77 (+1,76%)
     
  • FTSE

    7.585,46
    +20,54 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    20.697,36
    +581,16 (+2,89%)
     
  • NIKKEI

    26.781,68
    +176,84 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    12.717,50
    +438,25 (+3,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0751
    -0,0429 (-0,84%)
     

Rússia busca anexar Ucrânia ocupada em novo foco da invasão

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- Com quase 10 semanas de guerra e apenas pequenas vitórias no leste da Ucrânia, a Rússia foca em consolidar o controle militar e político sobre o território que conquistou até agora.

O Kremlin começou a instalar governos de ocupação, ordenar que a população use rublos e, de acordo com três pessoas envolvidas nos esforços, planeja referendos organizados às pressas em algumas áreas para abrir caminho para a anexação total. As pessoas falaram sob condição de anonimato devido ao risco de represália. O Kremlin não respondeu imediatamente a pedido de comentário.

Embora muito aquém dos objetivos originais de Vladimir Putin de destituir o presidente Volodymyr Zelenskiy e instaurar um regime pró-Rússia na maior parte da Ucrânia, os esforços mais recentes representam um novo obstáculo para as negociações de paz já empacadas. Kiev insiste que a Rússia desista do território que conquistou desde a invasão em 24 de fevereiro.

As forças de Zelenskiy, fortalecidas por infusões de armas pesadas dos EUA e seus aliados, planeja um esforço para retomar território.

Autoridades do Kremlin, em público e nos bastidores, ainda estão confiantes que seu avanço ganhará velocidade e as forças russas conquistarão pelo menos as regiões de Donetsk e Luhansk inteiras.

Moscou também tenta fortalecer seu controle nas regiões de Kherson e Zaporizhzhia, no sul, onde já conquistou partes do território. Isso deixaria cerca de um quinto da Ucrânia e a maior parte de sua costa sob controle da Rússia – e criaria uma ligação terrestre com a Crimeia, que Moscou anexou em 2014.

Nos últimos dias, autoridades russas começaram a diminuir as expectativas do público para um grande avanço no campo de batalha até o feriado de 9 de maio, quando o país comemora a vitória sobre os nazistas na Segunda Guerra Mundial com um desfile militar.

Em um sinal de suas ambições para Donetsk e Luhansk, o Kremlin transferiu a responsabilidade pelas duas regiões de sua divisão que trata de países vizinhos para a de política interna, segundo pessoas familiarizadas com a situação. Sergei Kiriyenko, o vice-chefe de gabinete responsável pela política interna, visitou a região no final do mês passado para expor seus planos com as autoridades locais.

O reconhecimento pela Rússia das repúblicas separatistas no final de fevereiro - incluindo faixas de território que não controla - abriu caminho para a invasão.

Enquanto uma autoridade dos EUA disse na segunda-feira que as votações para se tornar parte da Rússia poderiam ser realizadas em Donetsk e Luhansk já em meados de maio, pessoas familiarizadas com o planejamento em Moscou disseram que provavelmente serão adiadas até que as forças russas estendam o controle pelo menos aos limites administrativos das regiões. Isso pode levar semanas ou meses.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos