Mercado fechará em 3 h 8 min
  • BOVESPA

    122.524,97
    +2.176,17 (+1,81%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.242,20
    +349,92 (+0,76%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,31
    -0,05 (-0,10%)
     
  • OURO

    1.835,80
    +5,90 (+0,32%)
     
  • BTC-USD

    36.293,04
    +234,16 (+0,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    704,99
    -30,15 (-4,10%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.712,55
    -23,16 (-0,34%)
     
  • HANG SENG

    28.862,77
    +288,91 (+1,01%)
     
  • NIKKEI

    28.242,21
    -276,97 (-0,97%)
     
  • NASDAQ

    12.809,50
    +7,25 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3664
    -0,0262 (-0,41%)
     

Rússia apoia elevar produção da Opep+ em fevereiro: Fontes

Evgenia Pismennaya e Dina Khrennikova
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A Rússia pretende apoiar um novo aumento da produção da Opep+ na reunião do grupo no próximo mês mesmo com a nova cepa do coronavírus, que levanta dúvidas sobre a demanda, disseram autoridades com conhecimento da política de petróleo do país.

Por enquanto, o governo de Moscou acredita que faz sentido aumentar a produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados em 500 mil barris por dia em fevereiro, igualando o aumento já acordado para janeiro, disseram as autoridades, que não quiseram ser identificadas.

Seria o aumento máximo da oferta permitido pelo acordo fechado pelo cartel durante tensas negociações no início de dezembro. Outros membros precisariam concordar com a expansão da produção.

O Brent chegou a cair para menos de US$ 50 o barril na segunda-feira, sob o impacto da decisão do governo do Reino Unido de decretar um lockdown total em Londres e no sudeste da Inglaterra, depois que uma cepa mais contagiosa do coronavírus “saiu do controle”. Alguns países da Europa, Ásia e Oriente Médio limitaram as viagens com o país. Uma nova onda de restrições de mobilidade poderia enfraquecer a recuperação do consumo global de petróleo.

Reações mais rápidas

A Opep+ decidiu fazer reuniões mensais para reagir mais rapidamente às mudanças no mercado e fazer ajustes graduais da produção, que são mais adequados para uma situação volátil.

O surgimento de uma variante do coronavírus de transmissão mais rápida na Europa ofusca a onda de otimismo econômico causada pela descoberta de várias vacinas. No entanto, a posição atual da Rússia indica que o país espera que o mercado seja capaz de absorver a oferta extra da Opep+.

A demanda global por petróleo se recupera mais lentamente do que o esperado e pode levar até dois ou três anos para atingir os níveis pré-pandemia, disse o vice-primeiro-ministro da Rússia, Alexander Novak, em fórum online de energia na segunda-feira.

A queda do preço do petróleo, puxado pelo lockdown no sudeste do Reino Unido e pela preocupação com a nova cepa de coronavírus, mostra como o mercado ainda está volátil, acrescentou.

Ainda assim, a Rússia vê necessidade de aumentar gradualmente a produção de petróleo conforme a demanda global se recupera, “sem perturbar o equilíbrio do mercado e sem criar superávit”, disse Novak. “Para os países exportadores de petróleo, isso é claramente importante.”

Não está claro se a Arábia Saudita, líder da Opep+ ao lado da Rússia, apoiará um aumento da produção na próxima reunião do grupo em 4 de janeiro. Nas negociações no início de dezembro, o ministro do Petróleo saudita, Abdulaziz bin Salman, foi a favor da manutenção dos atuais cortes de produção durante o primeiro trimestre e concordou com relutância com a redução gradual dos limites.

Depois de reuniões presenciais em Riade com Novak no sábado, o príncipe Abdulaziz não quis comentar se é a favor de um novo aumento da oferta, dizendo apenas que quer manter especuladores do mercado sob controle.

“Ninguém saberá o que faremos 4 de janeiro até o dia da reunião”, disse.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.