Mercado fechará em 4 h 50 min
  • BOVESPA

    107.913,82
    -23,29 (-0,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.890,59
    -708,79 (-1,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,78
    +0,47 (+0,56%)
     
  • OURO

    1.843,10
    +1,40 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    36.557,54
    +3.307,21 (+9,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    832,13
    +21,53 (+2,66%)
     
  • S&P500

    4.410,13
    +12,19 (+0,28%)
     
  • DOW JONES

    34.364,50
    +99,13 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.363,85
    +66,70 (+0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.243,61
    -412,85 (-1,67%)
     
  • NIKKEI

    27.131,34
    -457,03 (-1,66%)
     
  • NASDAQ

    14.207,50
    -293,50 (-2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2004
    -0,0283 (-0,45%)
     

Réveillon 2022: Cláudio Castro diz que decisão final sobre festa na capital será tomada em reunião com Paes na próxima semana

·3 min de leitura

Horas após o prefeito do Rio, Eduardo Paes, anunciar o cancelamento da festa de réveillon de 2022 na cidade, o governador do estado, Cláudio Castro, disse que a decisão final das autoridades sobre o tema será comunicada na próxima semana, após uma reunião entre os chefes do Executivo municipal e estadual. Também participarão do encontro membros dos comitês científicos da capital e do estado.

"Falei há pouco com o prefeito Eduardo Paes e decidimos, juntos, que faremos uma reunião na próxima semana para uma decisão final sobre as festas do réveillon. Nesse encontro, participarão técnicos da saúde do Estado e do município", escreveu Castro no Twitter por volta das 13h deste sábado.

Ao indicar que a decisão definitiva do governo estadual sobre o réveillon na cidade do Rio ainda não foi tomada, Castro apresentou uma outra versão para as discussões por trás do possível cancelamento do evento. Às 7h deste sábado, Paes anunciou, também pelo Twitter, a suspensão da tradicional festa na Praia de Copacabana e atribuiu isso a um posicionamento do estado que ainda não tinha sido definido oficialmente.

Na quarta-feira, o Grupo Técnico de Assessoramento a Eventos de Saúde Pública — o comitê científico estadual — decidiu, em reunião, não recomendar a realização do evento em Copacabana em seu modelo clássico, com grandes aglomerações e sem protocolos de combate à transmissão, diante das incertezas geradas pelo avanço da nova variante do coronavírus, a Ômicron.

O parecer dos especialistas, no entanto, era preliminar, e uma nova reunião para debater o tema, com a presença do comitê científico municipal, estava programada para as próximas semanas, como disse nesta sexta-feira o secretário estadual de Saúde, Alexandre Chieppe, ao GLOBO. Além do cancelamento da festa, o grupo avalia também outras alternativas para o evento, como a redução do público presente ou a exigência do uso de máscara.

Ao contrário dos especialistas que assessoram a Secretaria de Estado de Saúde (SES), o comitê científico municipal corroborou, na semana passada, os planos da prefeitura para o réveillon, contanto que o cenário epidemiológico da cidade permaneça como está. No entanto, pelo Twitter, Paes disse neste sábado que valeria a decisão mais restritiva.

Segundo a Riotur, a festa de réveillon de 2022 ainda não tinha patrocínio oficial. Nas redes sociais, Paes disse que tomava a decisão com tristeza, mas que "não temos como organizar a celebração sem a garantia de todas as autoridades sanitárias. Infelizmente não temos como organizar uma festa dessa dimensão, em que temos muitos gastos e logística envolvidos, sem o mínimo de tempo para preparação".

Em entrevista coletiva horas após o anúncio do cancelamento das festas, Paes disse ainda ter sido surpreendido com o parecer preliminar do comitê estadual.

— Eu vinha conversando com o governador Cláudio Castro. Ontem, inclusive, falei com ele, e nós tínhamos tomado a decisão de aguardar até o dia 10, até o final da semana que vem. Esperando a evolução do quadro para tomar a decisão final sobre o réveillon. Mas fui surpreendido, ontem, pela decisão do comitê científico do estado, entendendo que a festa representava um risco — afirmou.

Paes pontuou também que vinha mantendo o planejamento inicial da festa da virada com base no parecer do comitê que o assessora:

— Numa reunião ordinária, eles (o comitê municipal) disseram: "Olha, o réveillon pode ser tocado. Não há nenhum elemento novo que se atente a possibilidade de uma nova cepa Ômicron. Mas não há nenhum elemento novo que leve a decisão de cancelar o réveillon". Por isso, eu vinha mantendo, apesar de todos os cancelamentos (em outros lugares). O comitê científico tem pessoas de respeito e não são amigos do prefeito.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos