Mercado fechará em 4 mins
  • BOVESPA

    110.125,38
    -1.798,55 (-1,61%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.950,93
    -283,44 (-0,55%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,56
    -2,42 (-3,03%)
     
  • OURO

    1.780,40
    -29,20 (-1,61%)
     
  • BTC-USD

    17.075,37
    -11,77 (-0,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    403,50
    -7,72 (-1,88%)
     
  • S&P500

    4.000,47
    -71,23 (-1,75%)
     
  • DOW JONES

    33.972,46
    -457,42 (-1,33%)
     
  • FTSE

    7.567,54
    +11,31 (+0,15%)
     
  • HANG SENG

    19.518,29
    +842,94 (+4,51%)
     
  • NIKKEI

    27.820,40
    +42,50 (+0,15%)
     
  • NASDAQ

    11.827,25
    -183,00 (-1,52%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5338
    +0,0398 (+0,72%)
     

Quinteto de Stephan é cercado por nuvem 20 vezes maior que a Via Láctea

Uma equipe de pesquisadores descobriu que o Quinteto de Stephan, formado por um grupo de cinco galáxias, conta com uma nuvem gasosa que se estende por aproximadamente 2 milhões de anos-luz, quase 20 vezes o tamanho da Via Láctea. A descoberta vem de dados coletados pelo radiotelescópio Five-hundred-meter Aperture Spherical Telescope (FAST), o maior e mais sensível do mundo.

“Esta é a maior estrutura de gás atômico já encontrada ao redor de um grupo de galáxias”, disse Xu Cong, astrônomo que liderou o novo estudo. O gás atômico é o material primordial que forma as galáxias: para evoluírem, elas juntam o gás atômico do meio intergaláctico, e depois o convertem em novas estrelas.

O hidrogênio atômico aparece em vermelho, cercando o Quinteto de Stephan (Imagem: Reprodução/NASA, ESA, CSA, STScI)
O hidrogênio atômico aparece em vermelho, cercando o Quinteto de Stephan (Imagem: Reprodução/NASA, ESA, CSA, STScI)

Assim, observar e explorar o gás atômico nas galáxias é essencial para estudar como elas se formam e se transformam ao longo do tempo. Como o hidrogênio atômico flutua mais livremente através das galáxias do que os demais componentes, ele é disperso com maior facilidade quando os objetos delas interagem entre si.

Isso significa que o hidrogênio disperso no Quinteto de Stephan é como uma cápsula do tempo, que revela aos cientistas eventos ocorrendo por longos períodos. A nuvem encontrada por eles foi uma descoberta surpreendente, porque o esperado era que a luz ultravioleta alterasse a natureza do hidrogênio ali através da ionização.

Este processo faz com que os átomos presentes na nuvem ganhem ou percam elétrons, de modo que acabam energizados. O gás do Quinteto não está ionizado, o que sugere que ele possa ter sobrado dos processos de formação galáctica: como estão distantes das estrelas, as nuvens de hidrogênio atômico podem existir “solitárias”, de modo que talvez sejam produtos das interações que formaram a galáxia.

Outra possibilidade é que a nuvem seja, na verdade, resultado de uma colisão ocorrida entre duas galáxias do grupo. Assim, as observações mostram que o Quinteto de Stephan oferece ainda mais enigmas para os astrônomos, desafiando o entendimento teórico da formação e evolução dos grupos de galáxias.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado na revista Nature.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: