Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    41.369,15
    +2.363,00 (+6,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Quick Charge vs Power Delivery: entenda os tipos de carregador para celular

·5 minuto de leitura

Nos últimos anos, o mercado de celulares viu inúmeros modelos aumentarem substancialmente a potência de carregamento, levando cada vez menos tempo na tomada para recuperar a carga da bateria. Se antes carregadores de 15 W impressionavam, hoje em dia é comum vermos telefones mais premium contarem com recarga de 65 W, como o OnePlus 9 Pro, ou mesmo de 100 W, como o recente Honor 50.

Tais avanços resultam da ampla adoção de dois principais protocolos de carregamento disponíveis no mercado — o Quick Charge, da Qualcomm, e o USB Power Delivery (USB-PD), desenvolvido pelo consórcio de empresas responsável por regular a conexão USB. Mas quais são as diferenças entre os dois? E como utilizar cada um deles? Vamos discutir esses pontos a seguir.

Quick Charge vs Power Delivery

O Quick Charge é uma tecnologia de carregamento desenvolvida pela Qualcomm, conhecida pelos processadores Snapdragon. Através da conexão USB, o celular e o carregador se comunicam e monitoram a recarga para aumentar ou diminuir a potência, seguindo parâmetros de temperatura, quantidade de carga da bateria e voltagem, por exemplo.

O protocolo está atualmente em sua quinta versão, lançada em julho do ano passado, e suporta carregamento de até 100 W, sendo 10 vezes mais potente que o Quick Charge original, segundo a Qualcomm. O recurso também recebeu atenção na segurança e temperatura, contando com múltiplos níveis de proteção de corrente, voltagem, temperatura e tempo, que impedem que haja superaquecimento e até eventuais explosões.

Um ponto interessante do Quick Charge 5 é a presença de retrocompatibilidade com as gerações anteriores, além de dispositivos com porta microUSB e até aparelhos que utilizam o rival Power Delivery, incluindo iPhones. Nessas condições, um carregador com Quick Charge 5 vai entregar a velocidade máxima de carregamento do celular, como 22 W em um iPhone 12, por exemplo.

O USB Power Delivery, ou USB-PD, funciona de maneira semelhante ao Quick Charge, mas é compatível com uma variedade maior de dispositivos por não depender de hardware da Qualcomm para funcionar, estando assim presente em notebooks, desktops, hubs USB e mais. Em contrapartida, a popularidade desse protocolo no meio mobile é menor, já que no mundo dos smartphones, onde poderia atingir um público maior, há domínio de processadores Snapdragon.

Felizmente, um número crescente de celulares começou a adotar a tecnologia, e a compatibilidade do próprio Quick Charge com o padrão pode fazê-lo se tornar uma opção de peso em breve. O USB-PD foi desenvolvido pela USB Implementers Forum (USB-IF), organização responsável por regular a conexão USB, e encontra-se atualmente na revisão 3.1.

Por não depender de hardware proprietário como o Quick Charge, o USB PD está disponível em uma variedade maior de dispositivos, incluindo notebooks e desktops (Imagem: Reprodução/Anker)
Por não depender de hardware proprietário como o Quick Charge, o USB PD está disponível em uma variedade maior de dispositivos, incluindo notebooks e desktops (Imagem: Reprodução/Anker)

A nova versão entrega até 240 W de potência para dispositivos compatíveis, contra 100 W da geração passada, e aplica outras mudanças importantes que tornaram o protocolo mais competitivo contra a solução da Qualcomm, que contava com vantagem em alguns aspectos. Agora, o USB-PD comporta ajustes na voltagem, até então apenas fixos em versões anteriores.

Fora isso, o sentido do carregamento também não é mais fixo, podendo variar de acordo com a posição da fonte de energia, e há gerenciamento inteligente da potência, que se adapta seguindo as necessidades do aparelho conectado. Com esses recursos, é possível utilizar impressoras utilizando apenas um cabo USB-C, ou mesmo carregar um notebook conectado a um monitor compatível.

Uma desvantagem ainda presente, no entanto, é a compatibilidade exclusiva com conexões USB-C — o Quick Charge pode ser aplicado em portas USB-A, USB-C e microUSB.

Carregamento Qi sem fio

Além das tecnologias de carregamento com fio, outro método que ganhou popularidade recentemente é o de recarga sem fio, em que o celular ou outro dispositivo é capaz de recuperar a carga da bateria apenas aproximando-o de uma base.

A tecnologia amplamente utilizada atualmente opera no padrão Qi (pronuncia-se "tchi"), protocolo Open-Source desenvolvido pela Wireless Power Consortium (WPC), organização que conta com participação de gigantes como Apple e Samsung.

Carregadores sem fio transmitem até 15 W de energia por meio da formação de um campo magnético (Imagem: Reprodução/Samsung)
Carregadores sem fio transmitem até 15 W de energia por meio da formação de um campo magnético (Imagem: Reprodução/Samsung)

Presente em praticamente todos os smartphones com carregamento sem fio do mercado, além de acessórios como fones de ouvido, a tecnologia utiliza bobinas de cobre que, ao receberem eletricidade, geram um campo magnético, que por sua vez criam corrente elétrica em contato com o telefone ou outro acessório e assim recarregam a bateria.

Atualmente, o carregamento no padrão Qi entrega potências entre 5 W e 15 W, mas há planos para aumentar o limite para até 60 W com uma nova extensão do protocolo, segundo a WPC.

Anker destaca sua tecnologia PowerIQ 3.0

Responsável pelo gerenciamento da Anker no Brasil junto à Positivo, Gustavo Massette discutiu o funcionamento e as diferenças de cada um dos protocolos. "Estas tecnologias permitem que o aparelho e o carregador façam o 'handshake', ou 'conversem', para que o fornecimento de energia seja otimizado e seguro", explicou.

Massette concluiu exemplificando as tecnologias: " [...] desde o iPhone 8 os aparelhos da Apple são compatíveis com o protocolo PD, e até a linha iPhone 11 o limite de potência era 18W, apesar da fabricante fornecer carregadores de apenas 5W junto com o smartphone. Ou seja, é preciso um carregador mais potente para usufruir do carregamento rápido nestes modelos".

O PowerPort III Pod conta com PowerIQ 3.0, que combina Quick Charge e USB-PD em uma única porta (Imagem: Divulgação/Anker)
O PowerPort III Pod conta com PowerIQ 3.0, que combina Quick Charge e USB-PD em uma única porta (Imagem: Divulgação/Anker)

O executivo destacou ainda a tecnologia PowerIQ 3.0 da Anker, que combina Quick Charge e Power Delivery em uma mesma conexão USB, além de citar alguns acessórios da marca que contam com os protocolos discutidos, incluindo o PowerPort III Pod 65W, carregador de 65 W com Quick Charge 3 e PD, e o Wireless Anker PowerWave II Pad, base de recarga sem fio com modos de carregamento entre 5 W e 15 W.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos