Mercado fechará em 4 h 25 min
  • BOVESPA

    114.236,46
    -826,08 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.192,33
    +377,16 (+0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,99
    -0,62 (-0,85%)
     
  • OURO

    1.756,30
    -38,50 (-2,15%)
     
  • BTC-USD

    48.103,79
    -34,40 (-0,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.236,34
    +3,05 (+0,25%)
     
  • S&P500

    4.451,77
    -28,93 (-0,65%)
     
  • DOW JONES

    34.616,72
    -197,67 (-0,57%)
     
  • FTSE

    7.031,20
    +14,71 (+0,21%)
     
  • HANG SENG

    24.667,85
    -365,36 (-1,46%)
     
  • NIKKEI

    30.323,34
    -188,37 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    15.382,75
    -121,25 (-0,78%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1775
    -0,0185 (-0,30%)
     

Questões de governança corporativa podem pesar para ‘hot IPOs’

·1 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Embora o interesse dos investidores em “hot IPOs” permaneça elevado, as questões sobre a governança corporativa das empresas podem pesar em suas avaliações, de acordo com os analistas da Bloomberg Intelligence Rob Du Boff e Shaheen Contractor.

Empresas como Snowflake, Airbnb, Palantir Technologies e Robinhood Markets, que recentemente venderam ações em ofertas públicas iniciais, estão todas atrás de seus pares de tecnologia em um ou mais aspectos relativos aos seus conselhos, como independência e diversidade do presidente, escreveram Du Boff e Contractor em nota de pesquisa. Quase todas as empresas têm uma estrutura de duas classes de ações com direitos desiguais de voto, limitando a voz dos acionistas minoritários na pressão por mudanças, disseram os analistas.

Usando a metodologia da Bloomberg para pontuação da composição do conselho (uma parte do pilar de governança), com base em dados de registros públicos, Robinhood se encontraria no último quintil entre as empresas de tecnologia dos EUA, atrás no quesito de diversidade e independência da diretoria, disseram Du Boff e Contractor.

A Nasdaq está liderando um esforço para aumentar a diversidade nos conselhos corporativos. A bolsa quer que suas empresas listadas tenham pelo menos uma mulher no conselho e pelo menos uma pessoa que se identifique como uma minoria pouco representada ou LGBTQ - ou expliquem por que não têm essa representação. As mulheres agora detêm, pela primeira vez, pelo menos 30% dos assentos na maioria dos conselhos das empresas do S&P 500, resultado de anos de pressão dos investidores e regulamentações que exigem maior diversidade de gênero entre os diretores corporativos.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos