Mercado fechará em 2 h 3 min
  • BOVESPA

    117.083,12
    +853,00 (+0,73%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.715,98
    -330,60 (-0,72%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,76
    +1,24 (+1,43%)
     
  • OURO

    1.722,10
    -8,40 (-0,49%)
     
  • BTC-USD

    20.192,27
    +192,52 (+0,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    457,42
    -0,99 (-0,22%)
     
  • S&P500

    3.774,93
    -16,00 (-0,42%)
     
  • DOW JONES

    30.226,76
    -89,56 (-0,30%)
     
  • FTSE

    7.052,62
    -33,84 (-0,48%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,46 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.604,75
    -36,00 (-0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1350
    -0,0329 (-0,64%)
     

Queremos câmbio de equilíbrio um pouco mais alto, como tem estado, diz Guedes

Ministro da Economia, Paulo Guedes, fala em cerimônia no Itamaraty, em Brasília

Por Bernardo Caram

BRASÍLIA (Reuters) -O governo quer superávit fiscal, câmbio de equilíbrio um pouco mais alto, como tem estado, e reduzir impostos, disse nesta quinta-feira o ministro da Economia, Paulo Guedes.

A declaração foi dada durante evento em São Paulo sobre a indústria automotiva, quando o ministro explicou que o governo não quer um cenário com "câmbio lá embaixo e juros lá em cima". Para ele, isso sobrevalorizaria o real e reduziria a competitividade do país.

No passado, Guedes já havia criticado governos anteriores, que, para ele, mantinham o nível dos juros muito altos e o dólar muito baixo.

A fala desta quinta destoou de declarações feitas nos últimos meses. Em agosto, ele afirmou que o dólar deveria estar "lá embaixo", mas estava "no lugar entre aspas" por causa da "barulheira". No mês anterior, ele havia destacado que o real era uma das moedas que mais valorizavam no mundo.

Nesta quinta, Guedes não deixou claro se o dólar próximo a 5,20 reais, nível do fechamento da moeda norte-americana nesta quinta, seria o patamar de equilíbrio.

Ao afirmar que o Brasil tem observado boas notícias na economia enquanto o mundo vive um cenário negativo, Guedes previu que o Produto Interno Bruto (PIB) nacional crescerá quase 3% neste ano.

O ministro disse que a dívida bruta do governo deve cair para 76% do PIB neste ano após a devolução de recursos do BNDES ao Tesouro Nacional referentes a empréstimos feitos no passado --hoje a dívida está em 77,6% do PIB.

Ele também afirmou que "ainda dá tempo" de o desemprego no país atingir 8% até o fim deste ano. Pelo dado do trimestre encerrado em julho, o nível ficou em 9,1%.

(Edição de José de Castro)