Mercado fechará em 3 h 56 min
  • BOVESPA

    122.159,58
    +278,76 (+0,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.235,79
    +16,53 (+0,03%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,07
    +0,70 (+1,07%)
     
  • OURO

    1.867,00
    +28,90 (+1,57%)
     
  • BTC-USD

    43.761,22
    -3.854,24 (-8,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.202,58
    +4,66 (+0,39%)
     
  • S&P500

    4.150,26
    -23,59 (-0,57%)
     
  • DOW JONES

    34.202,41
    -179,72 (-0,52%)
     
  • FTSE

    7.032,85
    -10,76 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.194,09
    +166,52 (+0,59%)
     
  • NIKKEI

    27.824,83
    -259,67 (-0,92%)
     
  • NASDAQ

    13.236,50
    -150,50 (-1,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3903
    -0,0137 (-0,21%)
     

Quer comprar uma GeForce RTX? Talvez você só consiga a partir de 2022

Wagner Wakka
·1 minuto de leitura

A escassez de placas de vídeo deve durar até o final de 2021. Quem aponta isso é a chefe financeira da Nvidia, Colette Kress. Em reunião com investidores nesta quinta-feira (15), ela disse que os produtos não devem mesmo parar nas prateleiras.

“Esperamos que a demanda continue a superar a oferta ainda por este ano”, comentou com acionistas. Isso atualiza as expectativas da Nvidia que, antes, apostava em reajustar o fornecimento já no primeiro trimestre fiscal deste ano.

Apesar disso, a empresa tem um olhar otimista sobre seus produtos. “Veremos a oferta continuar a aumentar neste próximo trimestre, bem como até o final do ano”, disse Kress.

Esta previsão não é exclusividade da Nvidia, já que outros setores da indústria de eletrônicos também enfrentam o mesmo problema. Em fevereiro deste ano, a AMD anunciou uma parceria com a Samsung para terceirizar a produção de GPUs e APUs com o objetivo de aliviar a demanda. Até mesmo a Apple pode estar com dificuldades para fabricar iPads e outros dispositivos em função de falta de componentes.

A questão está principalmente na junção da alta demanda pelos produtos com a pandemia com a dificuldade de produção e distribuição de chips, também em função da COVID-19.

Em função disso, gigantes como a TSMC e a Intel já alertaram para dificuldades de manter a oferta de semicondutores acima da demanda neste ano, com possibilidade de prolongar até 2022.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: