Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,98
    +0,78 (+1,00%)
     
  • OURO

    1.764,70
    +1,00 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    16.880,70
    +693,09 (+4,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    401,31
    +12,58 (+3,24%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    27.881,94
    -145,90 (-0,52%)
     
  • NASDAQ

    11.531,25
    +6,50 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4629
    +0,0063 (+0,12%)
     

Quer acertar suas dívidas? Banco Central faz mutirão online para negociação

Nesta terça-feira (1), começa o mutirão online de negociação de dívidas e orientação financeira realizado pelo Banco Central, em parceria com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacom). A ação, que se estenderá até o dia 30, conta com a participação de mais de 160 instituições financeiras.

O Brasil vive uma alta na inadimplência e, em julho, atingiu o recorde de pessoas endividadas desde 2016, totalizando 6,7 milhões de brasileiros com o CPF negativado — em que 28,82% das dívidas são de cartão de crédito, cheque especial, empréstimo ou financiamento bancário. No último mutirão do BC, realizado em março, mais de 1,7 milhão de contratos em atraso foram negociados.

Segundo o Banco Central, podem participar da ação pessoas físicas com dívidas em atraso, contraídas de bancos ou instituições financeiras, desde que não estejam atreladas a bens dados em garantia, como carro, imóvel ou moto. Na página do Mutirão, os interessados encontrarão orientações sobre como negociar as dívidas, além de informações sobre como organizar suas finanças.

Cerca de 28,82% das dívidas dos brasileiros são de cartão de crédito, cheque especial, empréstimo ou financiamento bancário. (Imagem: Reprodução/Pexels)
Cerca de 28,82% das dívidas dos brasileiros são de cartão de crédito, cheque especial, empréstimo ou financiamento bancário. (Imagem: Reprodução/Pexels)

Como negociar a dívida?

Para negociar no mutirão, o primeiro passo é conhecer as suas dívidas acessando o site do Registrato. Em seguida, o cidadão deve conferir se sua dívida se enquadra na ação do BC: o serviço só pode ser utilizado para parcelas em atraso com bancos e instituições financeiras, como cartão de crédito, cheque especial, crédito consignado e demais modalidades de crédito. O mutirão não resolve situações que envolvam dívidas com lojas ou outras empresas e não renegocia contratos que estão em dia.

O próximo passo é definir o novo valor das parcelas que o consumidor poderá honrar. A Febraban indica que antes de partir para a negociação em si, os interessados devem organizar a sua situação financeira para saber exatamente o valor que eles podem comprometer de sua renda para pagar a dívida.

No site do Mutirão é possível conferir a lista de bancos e instituições financeiras que estão participando do movimento e seus respectivos contatos para que os clientes possam tratar das dívidas. Para renegociar, os consumidores podem entrar em contato diretamente com o órgão em que possui débito ou pelo portal do Consumidor.gov.br. Confira como proceder em cada um dos casos, a seguir;

  • Diretamente com o seu banco: entre em contato usando os canais oficiais, informe sobre o mutirão e o seu interesse de quitar. Questione as condições oferecidas e faça contrapostas até chegar num acordo que caiba no seu bolso;

  • Portal do Consumidor.gov.br: O passo a passo detalhado pode ser conferido neste tutorial em vídeo.

Educação financeira

Um dos destaques desta ação é o acesso à informação. O site do mutirão integra a plataforma Meu Bolso em Dia, da Febraban, que oferece orientação gratuita sobre educação financeira, por meio de cursos, materiais de apoio, vídeos, entre outros formatos. Os temas abordados são divididos em quatro assuntos: sair das dívidas, organizar as finanças, poupar e investir, e empreender.

Para Amaury Oliva, diretor-executivo de Sustentabilidade, Cidadania Financeira, Relações com o Consumidor e Autorregulação da Febraban, o acesso ao conteúdo educativo visa instruir para que o consumidor não precise negociar novamente. "É uma ideia para contribuir com a melhoria da saúde financeira das pessoas", afirma.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: