Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.609,21
    -1.888,94 (-5,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Quem tem síndrome dos ovários policísticos deveria ser prioridade na vacinação?

·3 minuto de leitura

Em alguns países, a vacinação contra o coronavírus SARS-CoV-2 contempla apenas os grupos prioritários, incluindo aqueles pacientes têm alguma comorbidade, como diabetes ou portadores de deficiência neurológica grave, por exemplo. No entanto, médicos alertam para a necessidade de inclusão de mulheres com a síndrome dos ovários policísticos (SOPC) na prioridade da imunização contra a COVID-19.

A SOPC é causada por um desequilíbrio dos hormônios reprodutivos e essa condição pode levar a ciclos menstruais irregulares, níveis elevados de andrógenos, obesidade e cistos ovarianos, dependendo do grau. É estimado que uma em cada 10 mulheres, em idade reprodutiva, tenha a síndrome dos ovários policísticos.

Mulheres com a síndrome dos ovários policísticos deveriam ser consideradas grupo de risco para a COVID-19 (Imagem: Reprodução/Light Field Studios/Envato Elements)
Mulheres com a síndrome dos ovários policísticos deveriam ser consideradas grupo de risco para a COVID-19 (Imagem: Reprodução/Light Field Studios/Envato Elements)

"Meu conselho seria incluir mulheres com a síndrome como potencialmente um grupo de alto risco [para a COVID-19]", defendeu a Katherine Sherif, chefe de Saúde da Mulher no Departamento de Medicina da Universidade de Jefferson, nos Estados Unidos, para a CNN. No entanto, a médica destaca a dificuldade em sensibilizar as pessoas sobre SOPC e os potenciais riscos da infecção neste grupo.

O que é a síndrome dos ovários policísticos?

"A síndrome é completamente subestimada em seu impacto. É uma espécie de problema reprodutivo que não é clinicamente relevante, mas isso é completamente errado. As pacientes precisam ser vistas como uma população de alto risco", afirmou Wiebke Arlt, diretora do Instituto de Pesquisa em Metabolismo e Sistemas da Universidade de Birmingham, no Reino Unido.

Isso porque pelo menos metade dessas mulheres desenvolve diabetes antes dos 40 anos, apresentam pressão alta e tem maior risco de câncer endometrial, por exemplo. A questão é que essas complicações podem ser associadas também a um maior risco de quadros graves da COVID-19.

Relação entre a síndrome, a COVID-19 e a vacinação

No entanto, ainda foram feitas poucas pesquisas com o grupo e a relação com o coronavírus SARS-CoV-2, o que afeta o direcionamento de políticas públicas para este grupo. Tudo isso porque a síndrome, segundo Arlt e Sherif, tende a ser considerada como um problema de saúde da mulher, limitada ao ovário. “As pessoas analisaram a obesidade, o diabetes tipo 2, a hipertensão e as doenças cardíacas, mas não analisaram a síndrome sistematicamente antes de nós. Porque simplesmente não consideram isso um fator de risco metabólico. Isso é algo que gostaríamos de mudar”, explicou Arlt.

Por outro lado, Arlt — uma das primeiras pesquisadoras a investigar a condição e sua relação com a COVID-19 — defende uma nova visão para o quadro. Nesse sentindo, o correto seria tratar a síndrome como uma "doença metabólica vitalícia" e, quanto maior for o risco metabólico, maior é a possibilidade de se infectar pelo coronavírus.

Publicado na European Journal of Endocrinology, o estudo de Arlt calculou que mulheres com a síndrome apresentavam um risco 28% maior de contraírem a infecção do que mulheres sem, no Reino Unido. Para esta conclusão, foram usados registros de atenção primária de janeiro a junho de 2020, com mais de 21 mil mulheres com a síndrome e outras 78 mil sem a condição. Além disso, elas foram pareadas por idade e localização.

No entanto, os dados do banco The Health Improvement Network eram limitados e, dessa forma, não foi possível checar a resolução dos casos da COVID-19, como complicações e eventuais óbitos em decorrência da infecção. Agora, mais estudos são necessários para compreender, de forma mais aprofundada, a relação da síndrome com o coronavírus.

Para acessar o estudo que relaciona a síndrome com casos da COVID-19, publicado na revista científica European Journal of Endocrinology, clique aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: