Mercado fechará em 2 h 2 min
  • BOVESPA

    111.711,91
    +802,30 (+0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.510,88
    +336,82 (+0,67%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,49
    +2,29 (+2,93%)
     
  • OURO

    1.767,20
    +3,50 (+0,20%)
     
  • BTC-USD

    16.862,40
    +451,83 (+2,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,61
    -0,09 (-0,02%)
     
  • S&P500

    3.953,92
    -3,71 (-0,09%)
     
  • DOW JONES

    33.698,67
    -153,86 (-0,45%)
     
  • FTSE

    7.587,51
    +75,51 (+1,01%)
     
  • HANG SENG

    18.597,23
    +392,55 (+2,16%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.569,75
    +45,00 (+0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4222
    -0,0344 (-0,63%)
     

Quem morre por covid-19 no Brasil hoje em dia?

Os primeiros casos de infecção pelo coronavírus SARS-CoV-2 foram confirmados no final de 2019 e, desde então, a doença provocou e provoca uma onda de mortes em todo o mundo, derrubando até a média da expectativa humana global. São mais de 6,6 milhões. Apesar dos avanços e das vacinas, mesmo em menor escala, a covid-19 ainda é responsável por mortes hoje em dia.

No Brasil, a média móvel diária de mortes pela covid-19 é estimada em 31, segundo dados do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass). O parâmetro é muito mais baixo que os momentos de pico da pandemia da covid-19, onde mais de 2 mil mortes diárias foram registradas. Hoje, a realidade é outra, mas alguns grupos específicos ainda têm risco aumentado para a doença.

Quem morre pela covid-19 hoje?

Mortes pela covid-19 no Brasil são mais comuns em idosos, mas pode afetar todas as faixas etárias (Imagem: Wavebreakmedia/Envato)
Mortes pela covid-19 no Brasil são mais comuns em idosos, mas pode afetar todas as faixas etárias (Imagem: Wavebreakmedia/Envato)

Infelizmente, o grupo que mais morre pela covid-19 é o composto por pessoas com mais de 65 anos, ou seja, os idosos. No início da pandemia, estes indivíduos eram os mais vulneráveis e, hoje, ainda continuam a ser. A questão é que, com vacinas e a imunidade natural, óbitos em outras faixas etárias despencaram, fazendo com que as mortes entre os mais velhos sejam ainda mais evidentes, quando comparadas com a do resto da população.

Observando os dados da saúde pública dos Estados Unidos, é possível observar que as mortes por covid-19, entre pessoas com 65 anos ou mais, cresceram de forma significativa entre os meses de abril e julho deste ano. Para ser preciso, o aumento foi de 125%, segundo a Kaiser Family Foundation. Este grupo continua a ser predominante entre os mortos da covid-19.

Idosos são os que mais morrem pela covid-19 no Brasil

No Brasil, entender quem ainda morre pela covid-19 é somente possível através dos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), divulgados pelo Ministério da Saúde. Esta é uma das complicações causadas pelos vírus respiratórios e tende a levar os pacientes aos hospitais, onde são normalmente testados. Por isso, é um bom indicador da evolução da doença na população brasileira.

Casos de SRAG indicam mortalidade da covid-19 no Brasil entre idosos (Imagem: Ministério da Saúde)
Casos de SRAG indicam mortalidade da covid-19 no Brasil entre idosos (Imagem: Ministério da Saúde)

Do começo do ano até os primeiros dias de novembro, foram identificados 464 mil casos de SRAG, sendo que 198 mil foram provocadas pela covid-19. Outros 227 mil casos não tiveram a causa identificada ou estão em investigação, o que indica possível subnotificação dos casos da covid. Agora, olhando para as mortes do coronavírus em 2022, 55 mil foram oficialmente provocadas pelo vírus da covid-19. Outras 21 mil ainda não têm origem definida.

Do total, 45,7 mil óbitos por SRAG da covid-19 foram confirmados entre aqueles que têm mais de 60 anos ou mais. A faixa etária mais acometida foi a de 80 a 89 anos, com mais de 15 de mil mortes.

Crianças também são vítimas fatais da infecção

Embora os números não sejam tão expressivos, a doença ainda mata em todas as faixas etárias e mais que os outros vírus respiratórios no Brasil. Por exemplo, em bebês e crianças de até 5 anos, são contabilizadas 477 mortes oficiais pela SRAG associado com a covid-19. Neste mesmo período, a influenza (gripe) provocou apenas 32 óbitos.

Comorbidades mais associadas com mortes pela covid-19

Problema no coração é a comorbidade mais associada com a morte por covid-19 hoje no Brasil (Imagem: Twenty20photos/Envato)
Problema no coração é a comorbidade mais associada com a morte por covid-19 hoje no Brasil (Imagem: Twenty20photos/Envato)

Através da análise dos casos de SRAG, não é possível estimar quantas pessoas com comorbidades morreram em decorrência da covid-19 este ano no Brasil. No entanto, médicos e especialistas alertam que este continua a ser um fator de risco para a doença, somando-se a questão da idade.

Os dados da prefeitura de São Paulo apontam que estas são as comorbidades mais associadas com óbitos relacionados à covid-19, em ordem decrescente:

  1. Problema do coração (cardiopatia);

  2. Diabetes;

  3. Obesidade;

  4. Doença neurológica;

  5. Doença renal;

  6. Pneumopatia;

  7. Imunodepressão;

  8. Asma;

  9. Doença hepática;

  10. Doença hematológica.

Vacina da covid-19 impacta no risco de morte

Entre os óbitos da covid-19, a vacinação é tão importante que a questão da idade e das comorbidades. Isso significa que a pessoa deve contar com o esquema primário (duas doses) e mais as doses de reforço disponíveis, orientadas pelas autoridades de saúde.

No Brasil, os dados divulgados abertamente sobre o perfil dos pacientes que morreram em decorrência da covid-19 não são tão abrangentes e nem tão detalhadas quanto os dos EUA. Por isso, seguiremos com a análise sobre quem morre hoje por covid com as informações levantadas pelo Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

Vacina reduz risco de morte pela covid-19, especialmente entre aqueles com mais de 50 anos (Imagem: Twenty20photos/Envato Elements)
Vacina reduz risco de morte pela covid-19, especialmente entre aqueles com mais de 50 anos (Imagem: Twenty20photos/Envato Elements)

Em agosto deste ano, pessoas que optaram por não receber nenhuma vacina da covid-19 e tinham 50 anos ou mais apresentam um risco de morte por covid-19 12 vezes maior do aqueles que estavam em dia com as doses de reforço nos EUA.

Além disso, entre os vacinados (esquema primário e uma dose de reforço) com 50 anos, o risco de morte era 3 vezes maior do aqueles que tinham duas doses de reforço.

Pensando na população norte-americana geral, o risco de morte pela covid-19 era 6 vezes maior entre os não vacinados com mais de 6 meses do que no resto das pessoas. A análise não detalha se o indivíduo tem (ou não) imunidade prévia, adquirida através de um caso anterior da infecção.

Quinta dose da vacina contra covid

Hoje, a quinta dose da vacina da covid-19 — ou a terceira dose do reforço — já está disponível em algumas cidades brasileiras, mas a aplicação ainda é bastante restrita. Aqui, é importante checar como está a questão na sua região.

Por exemplo, na cidade de São Paulo, o imunizante da covid-19 pode ser aplicado em todos os imunossuprimidos com mais de 18 anos. Em outros locais, está somente liberada para os indivíduos com imunossupressão e 40 anos ou mais.

Diferente dos EUA, o Brasil ainda não aplica as doses da vacina atualizadas contra a variante Ômicron do coronavírus. Ainda não há previsão para quando a nova versão chegue ao Brasil. A expectativa é que a nova formulação turbine as proteções.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: