Mercado fechado

Quem é Alexandra Grant? Conheça a namorada de Keanu Reeves

Keanu Reeves com a namorada Alexandra Grant (Foto: Getty Images)


Não se fala em outra coisa no mundo das celebridades que não o namoro de Keanu Reeves com Alexandra Grant. O casal apareceu junto pela primeira vez no último final de semana, durante o LACMA Art + Film Gala. Esta foi a primeira vez em 20 anos que o astro do cinema assumiu publicamente um relacionamento. E, sendo um queridinho do público, dá para imaginar porque o assunto foi tão falado. 

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

Afinal, quem é Alexandra Grant?

Além do fato de que Keanu há tempos não assumia um relacionamento publicamente, a própria namorada do ator virou assunto na internet. Alexandra é artista plástica e, acredite se quiser, conhece o ator há dez anos. 

Leia também

Os dois se conheceram durante uma festa em 2009 e, logo depois, decidiram trabalhar juntos. As ilustrações do livro de Keanu, Ode to Happiness, foram feitas por Alexandra em 2011 - e criaram uma obra que ficou conhecida como "um livro de figuras para adultos", algo como uma forma de meditação e de lidar com os problemas da vida. 

Alguns anos depois, em 2016, os dois voltaram a trabalhar lado a lado, e lançaram mais um livro, Shadows. Com fotos da artista e textos do ator, a obra explora a sombra tanto como uma imagem quanto uma figura de linguagem. 

Aliás a parceria deu tão certo que os dois abriram uma editora. Eles co-fundaram a X-Artist's Book, uma editora pequena e que foca em livros de artistas.

Mas, muito além do relacionamento (pessoal e profissional) com Keanu, Alexandra tem um nome de peso no mundo das artes visuais. Formada em 2000 pela California College of Arts, em São Francisco, ela trabalha com esculturas, pinturas, desenhos e vídeos para criar suas obras de arte. 

O seu trabalho já foi exposto em algumas das principais galerias do mundo, como o Museu de Arte de Los Angeles (LACMA), o Museu de Arte Contemporânea de Los Angeles, o Museu Hammer e a Galeria de Arte de Ontário, no Canadá.

Ela também fundou, sozinha, o projeto GrantLOVE, que ajuda a financiar projetos que envolvam as artes em Los Angeles. Desde 2008 ela usa a venda das próprias obras para juntar fundos para instituições de caridade ou projetos artísticos na cidade. 

A polêmica da idade

Agora, pegue todo esse currículo de Alexandra Grant e… esqueça. Pelo menos, foi isso que a internet fez desde que as imagens da artista e Keanu foram publicadas online e o relacionamento foi confirmado. 

Aos 46 anos, e arrasando com os cabelos grisalhos, Alexandra foi amplamente julgada pela sua aparência - e por parecer, segundo o público, mais velha do que o ator. Uma curiosidade: Keanu Reeves tem 55 anos, quase uma década mais velho que a namorada. 

Já sabemos que o envelhecimento da mulher é uma questão na nossa sociedade. Aliás, esse é um assunto amplamente evitado, já que a mulher madura é considerada praticamente invisível pela sociedade - e os seus cabelos brancos, bastante condenáveis. 

De "Pensei que fosse e mãe dele" à "46 anos com cara de 60", os comentários sobre a aparência de Alexandra nas redes sociais se sobrepuseram ao seu currículo impressionante e a sua felicidade em estar em um relacionamento saudável e feliz. 

Pintar os cabelos deve ser uma escolha da mulher tanto quanto qualquer outra decisão a respeito do seu corpo, e criticar a sua aparência, colocando-a como uma mulher "velha", só reforça padrões de beleza que aceitam apenas mulheres novas e desprezam as mais velhas. Para os homens, porém, essa mesma regra não se aplica. Tanto que ninguém lembrou que o ator é mais velho que a namorada. 

George Clooney, grisalho há anos, é chamado de "charmoso" e "galã". O mesmo vale para o próprio Keanu que, apesar de não ser grisalho, ainda é considerado um queridinho do público. Uma mulher com os cabelos brancos não tem a mesma sorte. 

Não à toa, muitas mulheres tem assumido os cabelos brancos pela internet, em um movimento quase que natural de aceitação do envelhecimento feminino. Foi-se o tempo em que julgar uma mulher pela cor dos seus cabelos ou a sua idade era motivo de panos quentes, e o momento é outro: de aceitar que cada pessoa se expressa de uma forma única, e isso, por si só, é digno de admiração.