Mercado fechará em 6 h 56 min
  • BOVESPA

    108.013,47
    +1.345,81 (+1,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.823,23
    -408,97 (-0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,79
    -0,17 (-0,20%)
     
  • OURO

    1.839,30
    -3,90 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    42.110,05
    +78,09 (+0,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.000,34
    +5,59 (+0,56%)
     
  • S&P500

    4.532,76
    -44,35 (-0,97%)
     
  • DOW JONES

    35.028,65
    -339,82 (-0,96%)
     
  • FTSE

    7.583,56
    -6,10 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.952,35
    +824,50 (+3,42%)
     
  • NIKKEI

    27.772,93
    +305,70 (+1,11%)
     
  • NASDAQ

    15.155,75
    +122,25 (+0,81%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1764
    +0,0090 (+0,15%)
     

Quem criou o Free Fire? Conheça a origem do jogo

·4 min de leitura

O Free Fire se tornou uma sensação no universo mobile, principalmente pelo fato de ser um jogo bastante acessível para quem não possui um celular potente, podendo ter uma experiência competitiva satisfatória usando o celular. Porém, como começou a febre do battle royale da Garena? A seguir, contamos qual é a origem de Free Fire.

Como surgiu o Free Fire?

O Free Fire surgiu em dezembro de 2017, desenvolvido por um estúdio vietnamita chamado 111dots Studio. Não demorou para o direito de publicação do jogo ser adquirido pela Garena, que é comandada pelo bilionário Forrest Li. Embora não exista um nome específico para a posição de "criador de Free Fire", foi o executivo quem viu o potencial de investir no gênero e no game.

O estúdio vietnamita trabalhou somente no battle royale, e até hoje faz parte do desenvolvimento do game, além de ser a sede do servidor do Vietnã. Assim, Free Fire Battlegrounds, como era chamado anteriormente, se tornou Garena Free Fire.

A ideia com o jogo era de trazer a mesma experiência de PlayerUnknown’s Battlegrounds (ou PUBG) para os celulares. Como o "pai" do gênero battle royale exigia configurações mais potentes no computador e no mobile, a experiência não podia ser aproveitada tranquilamente por jogadores com plataformas mais simples. Free Fire chegou para ser mais acessível.

O beta do game foi lançado em novembro de 2017, com lançamento acontecendo em dezembro. Free Fire, carinhosamente apelidado de FRIFAS pelos brasileiros, se tornou um dos jogos mais baixados de 2018, sendo muito popular no Brasil e na Ásia.

No celular ou no PC

A Dragões foi campeã da Liga NFA Season 5. (Imagem: Divulgação/Liga NFA)
A Dragões foi campeã da Liga NFA Season 5. (Imagem: Divulgação/Liga NFA)

O principal diferencial de Free Fire é que o jogo pode ser jogado em uma variedade de aparelhos móveis, desde que tenha o sistema operacional Android ou iOS, sem exigir dispositivos muito potentes. Tendo a acessibilidade como grande arma, não demorou para o game "atropelar" seus principais concorrentes. Porém, Free Fire não fica preso ao celular.

O game também possui uma versão jogável para computador através de emuladores, que simulam o sistema operacional Android. A comunidade de emuladores no Brasil é bem difundida, tendo competições de alto nível voltadas somente para os jogadores dessa “modalidade”. A maior delas é a Liga NFA (National Free Fire Association), campeonato brasileiro que é considerado um dos maiores torneios independentes de Free Fire do mundo.

A NFA não fica restrita somente ao Brasil, possuindo também uma versão LATAM, que conta com os times da América Latina disputando pelo título. Grandes equipes do cenário de Free Fire, como LOUD, Fluxo e paiN Gaming, também estão presentes no cenário de emuladores.

Relação com o Brasil


O Brasil é conhecido por sua notoriedade em alguns esportes eletrônicos, e o Free Fire é um deles. Além de abrigar uma das maiores comunidades do jogo da Garena, o competitivo brasileiro é bastante celebrado, com o Corinthians Free Fire, por exemplo, sendo campeão mundial do Free Fire World Series 2019, que aconteceu no Rio de Janeiro.

Além disso, o DJ brasileiro Alok possui um personagem dentro do game, além de uma música criada exclusivamente para o campeonato mundial. Miguel, personagem do jogo, é inspirado no filme “Tropa de Elite”. Outro detalhe bacana é que o mapa Purgatório possui uma área com o nome de Brasília.

Atualmente, Free Fire também é patrocinador da Seleção Brasileira de Futebol masculina, feminina e olímpica. Visuais baseados na seleção e também no Canarinho, mascote da CBF, foram lançados com o patrocínio do jogo para celebrar a colaboração entre o battle royale e a Confederação Brasileira de Futebol.

Parcerias diversas

Cristiano Ronaldo se tornou Chronos durante o evento Operação Chrono. (Imagem: Divulgação/Garena)
Cristiano Ronaldo se tornou Chronos durante o evento Operação Chrono. (Imagem: Divulgação/Garena)

Free Fire também possui alguns parceiros conhecidos da galera. Além de realizar crossovers com animes de sucesso como Attack On Titan e One Punch Man, o jogo também teve colaborações com a série La Casa de Papel, da Netflix. Porém, saindo do mundo audiovisual, o game ainda conta com parcerias com celebridades.

Além da música para o Free Fire World Series 2019, o DJ brasileiro Alok também se tornou um personagem no jogo e tem uma skin exclusiva. Cristiano Ronaldo, atacante do Manchester United e da Seleção Portuguesa, se tornou o personagem Chrono, tendo um grande evento baseado no personagem e com o atleta se tornando um embaixador do Free Fire.

O DJ americano KSHMR também se tornou um personagem jogável e um embaixador no jogo. O produtor musical ainda foi responsável pela música do Dia do Booyah!, evento de aniversário do Battle Royale.

Disponível de graça para Android e iOS, Free Fire é um sucesso incontestável que deve durar pelos próximos anos. Com a Garena mantendo o investimento no game, seja com ativações ou parcerias com marcas famosas, o caminho do battle royale ainda é longo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos